Depois de 15 dias de competições, falta pouco para o fim do Pan-Americano de Guadalajara. Neste domingo (30), os atletas chegam a útimo dia de atividades, com mais três provas em disputa antes da realização da cerimônia de encerramento do evento.

O ginasta e medalhista brasileiro Diego Hypólito terá a honra de ser o porta-bandeira da delegação do Brasil, nação que representou muito bem durante o Pan.
   
Hoje, três medalhas de ouro estavam sendo disputadas: na maratona masculina e nos torneios de basquete masculino e do estreante rúgbi 7. A maratona masculina trouxe o último ouro para o Brasil. O ex-lixeiro Solonei da Silva foi o campeão da prova.

Os meninos do rúgbi não causaram nenhuma surpresa. A equipe nacional foi derrotada pelo Uruguai, nas quartas de final, por 7 a 0. No sábado (29), na primeira classificação, eles haviam conseguido uma vitória e um empate depois de terem apanhado na estreia por 45 a 0 para o Canadá.

E para piorar, o vexame brasileiro foi maior ainda no futebol. A seleção masculina não conseguiu passar nem se quer da primeira fase. Brasil, o país do futebol?

Uma boa chance de medalha para o Brasil era o basquete masculino, que decepcionou e foi eliminado precocemente, nem disputando medalhas. No fim, a equipe acabou amargando o 5º na competição.

E as medalhas?

O Brasil está em terceiro lugar no quadro geral de medalhas e não está ameaçado, mesmo que o México vença as três modalidades deste domingo.

A equipe brasileira chega ao último dia do Pan com 48 medalhas de ouro, 35 de prata e 58 de bronze, totalizando 140 medalhas penduradas no pescoço.

Da mesma forma, os brasileiros não podem mais alcançar os cubanos na vice-liderança. O país caribenho tem uma vantagem de 11 medalhas de ouro no quadro. Os Estados Unidos são os líderes com tranquilidade, com 92 ouros e 234 medalhas contabilizadas.

Sem mais artigos