Mãe de atleta. Essa mais do que qualquer outra genitora tem um papel de extrema importância no “empurrãozinho” para o começo da carreira. Com a jogadora de vôlei da seleção brasileira, Paula Pequeno não foi diferente.

A ponteira admitiu que sua mãe, a dona Gê, teve um papel importantíssimo no começo de sua carreira.

“No início, eu sofri muito. Sai de casa muito cedo. Eu morria de vontade de voltar para casa. Hoje, sendo mãe, eu vejo que no lugar da minha, não teria coragem nunca de falar para minha filha ficar treinando com ela chorando do outro lado do telefone”, disse Paula Pequeno em entrevista ao Virgula Esporte.

Mãe de Mel, Paula Pequeno hoje credita a sua filha a vontade de encarar novas batalhas em sua carreira.

“Eu posso estar no dia mais triste, eu olho para ela e vejo que tudo vale a pena, estou forte, feliz para encarar a batalha de novo. Ela é minha fonte de energia”, completou.

Sem mais artigos