Figura carimbada quando o assunto é Seleção Brasileira, o capitão do pentacampeonato de 2002, Cafu, que não atua desde maio de 2008, já planeja sua despedida com a camisa verde-amarela. Atleta que mais vezes defendeu (148 partidas) o país, o ex-lateral-direito almeja uma festa de despedida a altura, mas evita qualquer tipo de polêmica ou atrito com o técnico Dunga.

“Queria uma homenagem única, uma despedida final mesmo. Eu já estou me preparando para o fim da carreira há tempos”, disse o ex-jogador, que pretende pendurar as chuteiras defendendo a Seleção Brasileira.

Apesar de não ter acertado com nenhum representando da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), o amistoso de despedida só acontecerá depois da Copa do Mundo da África do Sul.

Questionado sobre o atual time canarinho, Cafu acredita que a cobrança envolvendo a convocação de medalhões é inevitável.

“A cobrança é normal. Eu fui em quatro Copas e sempre teve alguém sendo lembrado. Vão sempre perguntar alguma coisa, está no DNA do brasileiro. Mas o Dunga já sabe com quem ele acha que pode contar”, disse Cafu.

Sem mais artigos