O presidente em exercício do Corinthians, Roberto de Andrade, em entrevista concedida ao vivo durante o Jornal de Esportes falou sobre os últimos acontecimentos envolvendo o clube, especialmente o Caso Adriano, que se envolveu em uma confusão no Rio de Janeiro após uma moça que estava em seu carro ter sido baleada na mão com um disparo acidental.

“Vamos partir do princípio que isso é uma fatalidade. Lógico que o Adriano tem histórico de envolvimentos com uma coisa não muito sadia. Mas ele está de férias. Não vamos misturar as coisas. Ele tem mais seis meses de contrato e iremos fazer uma avaliação como atleta e aí iremos analisar se vale a pena renovar ou não”, afirmou Andrade, negando que o jogador será dispensado de imediato. “O Corinthians tem 600 funcionários e não podemos fiscalizar todos. Mas o Adriano sabe o que faz fora do campo de jogo”, completou.

Sobre a decepção com o jogador externado pelo ex-presidente Andrés Sanchez, Roberto não confirmou – e nem negou esse sentimento no clube: “A gente quer que o Adriano seja um atleta. Mas ficou difícil de analisá-lo porque ele teve contusões, jogou pouco tempo. Sempre dissemos que o grande teste seria neste primeiro semestre, quando inciará a pré-temporada conosco e se condicionará junto conosco. Vamos aguardar. Essas atitudes acabam manchando o currículo, sem dúvida, mas é uma fatalidade. Mas temos que julgar o atleta”.

Sem mais artigos