Poucos
sabem, mas a maior rede de trilhas do Brasil está dentro do Parque Nacional da
Serra dos Órgãos: são 130 quilômetros, de vários níveis de dificuldade –
algumas acessíveis, inclusive, para cadeirantes. Considerado por muitos o
melhor lugar do país para se praticar montanhismo, escalada, caminhada e toda a
sorte de esportes de aventura, o Parque é um deleite para o corpo e a mente. Criado
em 1929, e localizado no maciço da Serra dos Órgãos, nos municípios fluminenses
de Guapimirim, Magé, Teresópolis e Petrópolis, tem uma área de 20.024 hectares
e fica a pouco menos de 100 quilômetros do Rio de Janeiro.

Há aventuras para todos os gostos. Os mais corajosos se
arriscam a fazer a travessia Petrópolis-Teresópolis, de 30 quilômetros, com
subidas e descidas intensas, de alto nível de dificuldade – leva cerca de três
dias e é difícil encontrar uma trilha de longo curso com paisagem mais bela.
Outros ainda mais ousados podem escalar a Agulha do Diabo, considerada uma das
15 melhores rochas para a prática deste esporte no mundo. Ou o cobiçado Dedo de
Deus, belíssima montanha que faz cair o queixo de quem passa pela BR-116,
porque se assemelha a uma mão com o dedo indicador apontando para o céu. E quem
prefere arriscar menos, pode praticar rapel em algumas cachoeiras exuberantes.

A temporada de montanhismo está aberta até setembro, quando o
Parque recebe muitos turistas de dentro e fora do país. Muitos também visitam o
lugar para observar, fazer pesquisas científicas ou apenas observar e fotografar
a natureza. Na Serra dos Órgãos já foram catalogadas “mais de 2.800 espécies de
plantas, 462 de aves, 105 de mamíferos, 103 de anfíbios e 83 de répteis,
incluindo 130 animais ameaçados de extinção e muitas espécies endêmicas (que só
ocorrem neste local)”, segundo informações do site do Instituto Chico Mendes de
Conservação da Biodiversidade (ICM-Bio), que administra o Parque.

Está lá, ameaçado de extinção, porém protegido, o maior
primata das Américas, conhecido como “muriqui”. Este animal, nativo da Mata
Atlântica, chegou a ser cogitado para se tornar símbolo das Olimpíadas de 2014
no Rio de Janeiro.  Pertencem à flora da
região nada menos que 369 espécies de orquídeas e mais de 100 de bromélias.
Tamanha riqueza de fauna e flora fez com que o Parque Nacional da Serra dos
Órgãos fosse declarado pela UNESCO Reserva da Biosfera, em 1991.

O Parque está aberto à visitação todos os dias,
das 8h às 17h, mas é possível entrar antes ou depois destes horários (a partir
das 6h e até às 22h), desde que munido de ingresso comprado antecipadamente. As
entradas custam de R$ 22,00 a R$ 33,00. Confira todas as orientações no site do ICM-Bio.

Temporada de montanhismo movimenta Parque Nacional da Serra dos Órgãos

Sem mais artigos
Sair da versão mobile