Um terremoto de 6.3 graus atingiu Chistchurch, a segunda maior cidade da Nova Zelândia, e uma das cidades sub-sede da Copa do Mundo de Rúgbi, nesta terça-feira (22). Agora, as sete partidas que seriam disputadas na cidade, inclusive duas semifinais, podem ser trocadas de estádio.

Em comunicado oficial, o International Rugby Board – IRB, órgão máximo do rúgbi, preferiu não comentar a infraestrutura da Copa do Mundo. “O foco neste momento deve ser na resposta à emergência”, diz a publicação.

O gerente de comunicações do evento Mike Jaspers disse ao jornal neozelandês NZ Herald que “é muito cedo para pensar o que isso significa para a Copa do Mundo”. “Nós só estamos pensando em nossos amigos, parentes e todas as pessoas que foram afetadas”, completou.

Segundo o Herald, A União de Rúgbi da Nova Zelândia não conseguia contato com a União de Canterbury ou os Crusaders, time responsável pelo estádio da cidade, mas não há notícias de qualquer avaria à estrutura.

Imagem do AMI Stadium, tirada pelo satélite do Google Maps

Imagem do AMI Stadium, tirada pelo satélite do Google Maps

O AMI Stadium, reformado em janeiro de 2010, recebia uma delegação de 43 membros do governo dos Estados Unidos no momento do terremoto. Todos conseguiram sair das instalações em segurança.

Por mais que o estádio esteja em plenas condições de jogo, a malha hoteleira da cidade, que recebe muitos turistas e estudantes em intercâmbio, foi muito prejudicada.

O ministro da Defesa Civil, John Carter, disse que um número significativo de hotéis importantes foi altamente afetado. B K Chiu, diretor administrativo da rede Millennium & Copthorne, proprietária de três grandes hotéis no centro de Christchurch afirmou que todos os funcionários e hóspedes foram evacuados, mas “ainda é muito cedo para saber a extensão dos danos que os prédios sofreram”.

A região é acostumada a esse tipo de fenômeno natural, mas como o epicentro estava muito próximo da superfície e do centro da cidade, os efeitos tomaram proporções catastróficas. Esse é considerado o pior tremor da cidade em 80 anos.

Sem mais artigos