O atacante Carlos Tévez voltou nesta terça-feira (14) à Inglaterra onde será reintegrado ao elenco do Manchester City depois de ficar quase dois meses afastado em virtude de um desentendimento com o técnico Roberto Mancini. Porém, mesmo voltando ao clube, parece que o argentino ainda não superou a crise com o comandante.

Em entrevista à “Fox Sports” da Argentina, onde estava passando os dias em que passou isolado do grupo do Manchester City, Tévez contou com mais detalhes como aconteceu o entrevero com o treinador.

“Eu me aqueci durante o primeiro tempo. Então nós fomos ao vestiário. Para o segundo, eu estava pronto. No segundo tempo, Mancini decidiu substituir Dzeko com De Jong. Foi uma troca defensiva. Eu não entendi. Dzeko discutiu com Mancini. Eu decidi sentar. Mancini estava chateado depois da discussão com Dzeko, ele virou e me viu. Então ele me mandou, como um cachorro, aquecer novamente. Mancini me disse todo o tipo de coisas lá. Eu não sei por que. Eu estava tranquilo. Eu estava falando com Zabaleta. Eu não tinha problemas”, disse Carlitos.

Segundo o atacante, ele estava com vontade de jogar, mas a forma como Mancini o tratou fez com que recusasse a entrar em campo.

“Eu até estava disposto a jogar, mas ele estava tão mal humorado e me disse coisas tão horríveis, que eu desanimei”, completou.

A polêmica ocorreu em novembro, na partida contra o Bayern de Munique, pela Liga dos Campeões. Mas esta não foi a única vez que os dois trocaram ofensas, de acordo com o próprio atacante.

“Na última temporada, depois de um jogo em casa contra o Newcastle, nós quase nos batemos no vestiário. Mas nós conversamos no dia seguinte. Mancini é um vencedor. E eu sou um vencedor também. Nenhum de nós gosta de perder”, revelou.

Apesar dos problemas com o técnico, Tévez reafirmou o seu desejo em voltar a defender as cores do Manchester City e reconquistar o apoio dos torcedores.

“Eu quero voltar a Manchester e ganhar outra vez o apoio dos torcedores do City. As pessoas viraram as costas para mim, mas é normal. Eu só não entendo torcedores do City queimando minha camisa. Dói. É normal eles reagirem assim, porque eles leram todo o tipo de coisas. Decidi voltar ao City. Eu sei que tenho que reverter a situação, será difícil, mas um ótimo desafio”.

Sem mais artigos