Carlitos Tevez garante que não se negou a deixar na véspera o banco de reservas no jogo contra o Bayern em Munique, motivo pelo qual o treinador da equipe, o italiano Roberto Mancini, anunciou que o atacante argentino não voltará a jogar novamente com os “Citizens”.

“Quero pedir perdão a todos os torcedores do Manchester City por qualquer mal-entendido que tenha ocorrido em Munique, mas nunca me neguei a jogar”, defendeu-se nesta quarta-feira em comunicado Tévez, que atribuiu o episódio a uma “confusão”.

Na terça-feira à noite em Munique, Mancini foi categórico. “Se queremos melhorar como equipe, Carlos (Tevez) não pode jogar conosco. Comigo está acabado”, assinalou.

O treinador do City disse que falará com os diretores do clube para buscar uma saída à situação, depois que o atacante argentino se negasse no dia anterior a jogar contra o Bayern no jogo pela Liga dos Campeões quando sua equipe perdia por 2 a 0.

“Eu decido as substituições, não Carlitos”, declarou na terça-feira à noite o técnico, visivelmente irritado. “A situação é insustentável”, acrescentou.

O jogador, de 27 anos, afirmou nesta quarta-feira que não se negou a entrar em campo e atribuiu o fato a um “mal-entendido”.

“Na terça-feira em Munique eu havia aquecido e estava pronto para jogar. Não é o momento de entrar em detalhes, mas quero deixar claro que nunca me neguei a jogar”, reafirmou o atacante.

“Havia uma confusão no banco e acho que isso pode ter provocado o mal-entendido sobre minha posição”, acrescentou Tévez.

“Estou disposto a jogar sempre que chamado a cumprir com minhas obrigações”, disse.

Segundo o argentino, os torcedores do Manchester City “sabem” que mesmo quando está “no banco” sempre faz “tudo pelo clube”.

No fechamento da janela, Tévez tentou deixar o Manchester City, mas as negociações com a Inter de Milão e o Corinthians fracassaram.

Nessa fase inicial da Liga dos Campeões, o jogador não conseguiu marcar nenhum gol nos minutos em que esteve em campo.

Sem mais artigos