O ano não poderia ter começado pior para o golfista norte-americano Tiger Woods, que ficou sem mais um patrocinador, a revista especializada “Golf Digest”, a mais importante do esporte, após 13 anos de relação.

O motivo do desencontro foi as horas que Woods deveria dedicar à promoção da revista e os trabalhos que tinha que realizar.

A “Golf Digest”, com uma tiragem de 1,65 milhão de exemplares, anunciou o final, por acordo mútuo, de uma relação de promoção que começou no Masters de Augusta de 1997.

Woods estreou na revista em junho daquele ano, patrocínio que tinha sido seu segundo mais longo, só atrás do que assinou com a Nike.

A publicação especializada nunca revelou os termos do acordo, embora acredita-se que era dos menores para Woods no que diz respeito ao financeiro, não mais do que US$ 2 milhões ao ano.

O anúncio foi feito duas semanas depois que a Gillette informou que não renovaria seu contrato com Woods, que expirou no final de 2010.

Isso aumenta para cinco o número de patrocínios que o golfista perdeu desde que foi surpreendido em uma série de relações extraconjugais.

Sem mais artigos