A reapresentação do elenco do Palmeiras foi marcada pela tensão e por protestos da torcida. Nesta quarta-feira, torcedores da ala organizada do clube foram ao CT da Barra Funda para reclamar das ações da diretoria e dos jogadores. Além de xingar o presidente Arnaldo Tirone, eles exigiram a contratação de mais reforços e criticaram alguns jogadores como Valdivia, Deola e Henrique.

Outro fator que chamou atenção no movimento foi uma faixa rapidamente exibida pelos torcedores. Nela estava escrito: “A homofobia veste verde”. A frase tem a ver com o possível interesse da diretoria alviverde em contratar o volante Richarlyson, do Atlético-MG. Ricky e Palmeiras entraram em choque em 2007, quando o então diretor do clube José Cirillo Júnior insinuou que Richarlyson fosse homossexual em uma programa de TV. O atleta negou e processou o dirigente.

A Polícia Militar deslocou 30 homens para o local e declarou que 500 pessoas se reuniram para o protesto. Alguns levaram faixas com dizeres ofensivos ao mandatário do Alviverde e ao vice Roberto Frizzo.

“Estamos impacientes com a situação do time. É uma vergonha, todo mundo se reforça. Tem time que contrata Fred, Deco e Martinuccio, mas o Palmeiras não contrata nenhum jogador de peso. A gente reivindica uma diretoria de futebol profissional, não um conselheiro que ganha agenciando jogadores”, afirmou o presidente da organizada Mancha Alviverde, Marcos Ferreira.

Também foram citados os nomes de Cicinho, Thiago Heleno, Henrique e Márcio Araújo na manifestação. Até o único reforço contratado até agora, o lateral-esquerdo Juninho, já foi lembrado pelos manifestantes.

Torcida do Palmeiras protesta e polemiza: "A homofobia veste verde"

Sem mais artigos