Os quase 17 mil torcedores que estiveram na HSBC Arena neste sábado (27) deram um verdadeiro show. Participativos desde o primeiro combate no card preliminar até a grande luta da noite entre Anderson Silva e Yushin Okami, os torcedores brasileiros transformaram as arquibancadas do octógono em estádio de futebol e apoiaram de maneira incondicional os lutadores brazucas.

Entre os momentos áureos, destacaram-se as vitórias de Minotauro, Anderson Silva Shogun e até o triunfo de Paulo Thiago, o ex-policial do Bope que virou ídolo dos cariocas. Porém, os momentos de êxtase foram acompanhados de um certo desrespeito e falta de educação. Em cada um dos momentos citados, sobraram objetos voando para cima atirados por torcedores.

“Ficamos um pouco assustados quando atiraram algo. No fim, jogaram algumas coisas, mas não houve nada demais”, amenizou Dana White, presidente do UFC, em entrevista coletiva após a luta.

Outro alvo da torcida foi o Corinthians, equipe que patrocina Anderson Silva. Mesmo apoiando incondicionalmente o lutador brasileiro durante a luta, os presentes na HSBC Arena fizeram questão de deixar claro que torciam para Anderson e não para o clube paulista quando gritaram após a vitória do Aranha: “Ei, Corinthians, vai to…”. A reação da torcida fez até mesmo o próprio lutador falar sobre o assunto após a luta.

“Os fãs têm que entender que conseguimos mudar muita coisa em nosso país. Não estamos para defender bandeira do time, mas do Brasil, em prol de um futuro maior para esse esporte. Cada um veste a camisa de um clube e nós treinamos juntos”, se defendeu Anderson Silva.

E nem mesmo um dos ídolos dos brasileiros escapou da empolgação da torcida. Um fato pitoresco ocorreu pouco antes da luta entre Rodrigo Minotauro e Brendan Schaub. Quando o brazuca fazia a tradicional entrada caminhando pela arena, um torcedor meteu a mão na cabeça do lutador e roubou seu boné. Minotauro nem se abalou, fingiu que nada tinha acontecido e ainda venceu por nocaute o norte-americano.

Sem mais artigos