Patrocinador oficial da seleção brasileira desde 2010, a Gillette repetiu nesta quinta-feira (1º) um evento com os jogadores da equipe canarinho que havia feito no último ano.

Pouco mais de um ano depois do primeiro evento, as mudanças na seleção brasileira e no discurso dos ídolos nacionais já podem ser vistas.

No ano passado, a coletiva contou com a presença de Zagallo, Cafú, Neymar e Ganso, que polemizou com uma declaração sobre sua depilação. Na ocasião, o Velho Lobo baseou seu discurso na permanência dos craque no país.

“A saída com 17 e 18 anos é muito cedo. O jogador precisa ter a base aqui no Brasil e ir embora apenas aos 22 anos. Atletas com o biótipo do Neymar na Inglaterra não pode ser bom, pois o biótipo do futebol de lá é diferente”, afirmou o ex-treinador na época.

Nesta quinta-feira, Cafú, o mais experiente do evento que teve Lucas, Ronaldinho Gaúcho e Ganso como estrelas, recomendou a ida ao exterior para os garotos.

“Diria para eles irem, sem sombra de dúvidas. Vão ganhar muita experiência jogando lá fora, profissionalmente e também culturalmente. Isso você só consegue fora do seu país. Hoje nós temos uma das defesas mais temidas do mundo. Foi quando eles começaram a jogar fora que a coisa ficou diferente”, afirmou o capitão do pentacampeonato em 2002.

Outra mudança é o momento vivido pela seleção. O evento de 2010 aconteceu logo depois da vitória brasileira sobre os Estados Unidos por 2 a 0 no início de trabalho de Mano Menezes. Hoje, o treinador é questionado por muitos depois dos fracassos em partidas contra grandes adversários e na Copa América.

Sem mais artigos