Responsável por uma das cenas mais inusitadas do fim de semana, Leandro Pedro Vuaden, árbitro do jogo Náutico e Atlético-GO, foi conservador na súmula do jogo. Ao explicar o atraso de 18 minutos para o início da partida, o juiz não deu grandes detalhes do motivo que o levou a implicar com a faixa.

Na súmula, o árbitro destaca a faixa de 40m de comprimento por 1,20m de altura com a frase “Não irão nos derrubar no apito”, mas não explica o motivo que o fez pedir para o delegado da partida acionar o policiamento para retirá-la da arquibancada.

Ainda na súmula, Vuaden destaca que a faixa voltou a ser esticada nas arquibancadas depois do jogo iniciado.

No último sábado (29), antes da vitória do Náutico por 2 a 0, Vuaden afirmou que não iniciaria o jogo até que uma faixa da torcida do clube da casa fosse retirada das arquibancadas. A mensagem era um recado para os árbitros, mas não ofendia ninguém.

Pouco mais cedo, em entrevista ao “UOL Esporte”, Paulo Schmitt, procurador-geral do STJD, afirmou que o clube pernambucano poderia ser multado por ser o “causador do atraso”.

Vuaden cita faixa da torcida do Náutico na súmula, mas não explica "implicância"

Sem mais artigos