165 anos é muito tempo e, em geral, seu lugar está reservado no esquecimento mas não para quem criou um mito. No caso, o escritor Bram Stoker criou um romance que teve e tem desdobramentos nas artes, no cinema e no imaginário popular até hoje. Trata-se de Drácula. O autor completaria 165 anos nesta quinta-feira (08).

O escritor nasceu em Dublin, Irlanda, no ano de 1847. Lançou seu romance mais famoso, considerado gótico, Drácula, em 1897. A história de um vampiro que se apaixona perdidamente por uma foto de uma bela moça, noiva de uma possível vítima sua, e o faz ir até Londres atrás dela. Mas ao tentar seduzi-la, ele esquece o horário e o sol, seu grande inimigo, nasce o matando. Aquele que nunca morre sucumbe por amor.

Pois este mito da imortalidade e do amor ainda toca as pessoas hoje, distantes mais de um século do lançamento de Drácula. Uma destas provas é que o Google fez um Google Doodle na sua página inicial para homenagear hoje Stocker.

 

Recentemente 15 mil pessoas se aglomeraram no parque do Ibirapuera para assistir o clássico do expressionismo alemão Nosferatu, de F.W.Murnau. O grande diretor de cinema realizou o filme – uma adaptação do romance – em 1922 sem consultar a viúva de Bram, Florence Stoker. Ela entrou com processo e pediu para que as cópias e o original do filme fossem queimadas. Ela venceu, mas sobraram alguns rolos. Hoje é considerado uma das maiores películas de todos os tempos.

Sem falar na onda de vampiros tens que ainda inundam telas de cinema e séries de TV. A saga Crepúsculo foi uma das detonadoras da onda de vampiros que sugam a programação televisiva e cinematográfica hoje. A saga que começou 2008, chega ao seu final neste ano, arrastando milhões de fãs para saberem o desfecho da história de amor entre uma mortal (Kristen Stewart) e um vampiro (Robert Pattinson).

“O amor é mais forte que a morte”, escreveu Bram Stoker em Drácula e parece que a devoção das pessoas pelo seu mais famoso livro vão fazê-lo ainda vivo por muitos séculos.

Veja acima galeria de vampiros famosos do cinema.

Sem mais artigos