O estilista britânico, Alexander McQueen, deixou uma herança de 50 mil libras (equivalente a R$ 125 mil) a seus cachorros, mas a maioria de sua fortuna foi destinada a suas organizações beneficentes favoritas, segundo seu testamento.

McQueen, que cometeu suicídio no dia 11 de fevereiro de 2010, deixou uma nota que dizia: “Cuidem dos meus cachorros. Me desculpem. Eu amo eles”. Para garantir que seus três animais de estimação seriam bem cuidados, informou nesta terça-feira (26), a agência britânica PA.

O estilista tinha no momento de sua morte 40 anos e uma fortuna de 16 milhões de libras (cerca de R$ 40,2 milhões) e em seu testamento quis deixar uma grande parte desta quantia para ONGs e ações beneficentes.

A associação dedicada à prevenção da Aids The Terrence Higgins Trust, um lar para gatos e cachorros abandonados e o centro budista de Londres receberam 100 mil libras (R$ 251,7 mil) cada uma.

O estilista também foi generoso com a organização beneficente Sarabande, fundada por ele e que leva o nome de sua coleção primavera/verão de 2007, que oferece bolsas de estudos a estudantes da escola de design Central St Martins, onde estudou.

Além disso, eu testamento oficializou que Marlene e César García, o casal que cuidava de sua casa, por um “longo e fiel serviço” receberão 50 mil libras (R$ 125 mil).

Entre os membros de sua família beneficiados em seu testamento estão seus irmãos, seu afilhado e todos seus sobrinhos, que receberão quantidades que variam entre 50 mil libras e 250 mil libras (entre R$ 125,9 mil e R$ 629,6 mil).

Alexander McQueen, nascido em Londres, se transformou em uma das figuras mais importante da moda mundial e a investigação sobre sua morte determinou que o suicídio foi consequência de uma depressão motivada pelo trabalho e pela morte de sua mãe.

Sem mais artigos