A atriz americana Angelina Jolie, que marcou sua estreia como diretora e roteirista com um filme sobre a guerra da Bósnia, declarou nesta sexta-feira (09) que seu longa-metragem não visa mostrar somente “os sofrimentos dos bósnios, mas também a força e o amor pela família”.

Intitulado In The Land of Blood and Honey, o primeiro filme dirigido por Angelina Jolie foi rodado em 2010 entre a Bósnia e Hungria.

“Nos últimos dez anos viajei ao redor do mundo e senti uma grande frustração ao ver como as pessoas em situações de pós-guerra ficam traumatizadas e decepcionadas por não acreditar que fizeram o suficiente por elas”, disse a atriz em entrevista ao jornal bósnio Avaz.

“Comecei a pensar diariamente nisso, sobretudo, no sofrimento das mulheres e das crianças na guerra”, declarou Angelina Jolie, impressionada com estas experiências vividas.

Segundo a estrela de Hollywood, depois de sua viagem à Bósnia, ela passou a ler muito para se aprofundar no conflito deste país balcânico, explicando que ficou muito impressionada com todo o “sofrimento, a falta de humanidade, e, no final, com a força das pessoas da Bósnia para enfrentar toda essa situação”.

“Conheci a coragem dessa gente, das famílias, da comunidade artística na Bósnia-Herzegovina. Todo isso me inspirou para voltar para esta região e concluir que os bósnios são parte da minha família”, completou a atriz.

Em relação aos crimes que ocorreram durante a guerra, a Angelina Jolie disse que a intenção de seu filme não é somente mostrar a ação dos tribunais, mas mostrar os criminosos “como pessoas que realmente sentem as possíveis condenações e o peso dos crimes que cometeram”.

In the Land of Blood and Honey narra a história de amor vivida por um casal que se conheceu antes da guerra (1992-1995), além de todas as dificuldades que o conflito causou na relação.

Sem mais artigos