Em fevereiro de 2015, Caitlyn Jenner se envolveu em acidente de carro em Malibu, nos Estados Unidos, que resultou na morte de Kim Howe, de 69 anos. Além dele, sete pessoas ficaram feridas na ocasião. Após uma investigação de vários meses, as autoridades consideraram que Jenner não era culpada e abriram mão das acusações

Reprodução

Caitlyn Jenner resolveu reviver um escândalo que levou a família Kardashian diretamente para a fama. Não, não estamos falando da sex tape de Kim Kardashian, mas do julgamento de OJ Simpson, acusado de dois assassinatos e foi defendido no tribunal por Robert Kardashian.

Caitlyn revelou que Robert chegou a admitir para ela que sabia que OJ era culpado de matar a ex-mulher, Nicole Brown, e do amigo Ronald Goldman, mas decidiu defende-lo mesmo assim. De acordo com o RadarOnline, Jenner clama que Kardashian disse: “eu estaria OK se conseguissem pegá-lo já nesse primeiro julgamento”. Para Caitlyn, isso foi uma confissão de que ele sabia da culpa de OJ.

Robert Kardashian com a família

Reprodução Robert Kardashian com a família

A revelação foi feita na biografia recém-lançada de Jenner, Secrets of My Life. Lá, Caitlyn também teria escrito: “OJ se safou de dois assassinatos selvagens. Ele era a pessoa mais narcisista e egocêntrica que conheci no mundo do esporte”.

O livro ainda relata que Caitlyn acha que Robert Kardashian decidiu aceitar defender OJ Simpson por ciúme, já que Kris Jenner era amiga íntima de Nicole Brown. A matriarca do clã Kardashian tinha acabado de se separar de Robert e começado a namorar Caitlyn, que na época ainda era conhecido como Bruce Jenner. “Eu me pergunto se isso foi um jeito dele responder a ela, o que ela provavelmente disse a ele quando casou comigo: um grande foda-se você”, afirma na biografia.

Astro do futebol americano, OJ Simpson, é preso

OJ Simpson foi absolvido pelos assassinatos. Porém, em setembro de 2007, foi preso em Las Vegas e, posteriormente, acusado de assalto à mão armada, sequestro e formação de quadrilha. Foi julgado e considerado culpado.  Assim, acabou condenado a 33 anos de prisão, sendo 15 anos por sequestro, 6 anos por porte de arma durante o crime e 12 anos por roubo.

 

Sem mais artigos