Tudo culpa do PT, como dizem por aí. Depois que o comediante Gregório Duvivier declarou, em um artigo para a Folha de São Paulo, seu voto à candidata a Presidência da República Dilma Rousseff, o ator Dado Dolabella desceu o cacete no humorista. Sem papas, bispos ou pastores na língua, Duvivier fez sua tréplica em um novo artigo para o jornal intitulado Chupa, Dado. Quem entra em cena agora, nesta segunda-feira, (20), via Facebook, é o irmão de Dado, Gilberto Di Pierro, que o ameaça com agressão física.

Recordar é viver! Logo depois de se declarar dilmista, Duvivier recebeu o seguinte recado do aecista Dado: “Na boa, alguém que fala ‘estou com Dilma’, para mim, soa tipo: ‘estou com ebola’. Digno de pena e reclusão da sociedade. Um marginal. Diante de tanta corrupção comprovada! Só não mais contagioso, porque não é todo mundo que é acéfalo! Tenho certeza que você não é ‘Folha’ da mesma pasta que essa escória. Mas está mal influenciado”.

Numa verdadeira briga de fã-clubes de abiloladas adolescentes tipo Lady Gaga versus Katy Perry, Duvivier respondeu em um artigo: “Fui uma criança tucana […] Imaginem minha euforia quando soube que o FHC, o próprio, viria lá em casa, numa festa cheia de bolinhas de queijo. Sim, o jantar de adesão da classe artística ao FHC foi lá em casa (chupa, Dado Dolabella!) […] Mas democracia não é -ou não deveria ser- isso que virou, esse exercício do voto narcísico, em que pastor vota em pastor, policial vota em policial e carioca vota em bandido”.

Então, o irmão do ator resolveu entrar no ringue e rebateu: “Seu imbecil. Seu maior problema foi falar ‘Chupa, Dado’. Sou irmão dele e moro no Leblon. Quando eu te encontrar, vou fazer você engolir estas palavras, seu escroto covarde. Fala na frente, seu merda. Me aguarde, seu boiola criado pela vó. Acho também o Edgar (Duvivier, músico e pai de Gregório) e faço ele colocar o sax no rabo”.

Duvivier postou a ameaça no Facebook e escreveu de forma sarcástica: “Começou o show de horrores (pai, evite andar na rua com o sax, ou pelo menos com o soprano em vez do tenor)”.

Abaixo, para quem não conhece os instrumentos, a diferença entre um sax soprano (á esq.) e um tenor:

 

A briga desta elite branca, do gênero masculino, moradora do Leblon é o retrato do que está acontecendo no país em todas as camadas e instâncias onde hostilidades de todos os lados e formas, seja com agressões físicas ou pressões psicológicas, se espalham neste Fla X Flu do ódio que se tornou a disputa presidencial.

As ideias e a tolerância com o adversário parecem pouco importar, basta ver algum debate entre Dilma Rousseff e Aécio Neves. Sobrou apenas isto:

Sem mais artigos