Se o Pânico ficou famoso por invadir festas, o Virgula resolveu entrar de penetra no jantar que Antônio Augusto Amaral de Carvalho, o Tutinha, um dos criadores do programa, ofereceu para o elenco do humorístico e executivos da Band, na noite dessa terça-feira (17), em São Paulo. A festa era para comemorar a estreia do programa na nova emissora e os altos índices do Ibope. O clima era de missão cumprida. A audiência do programa e sua repercussão nas mídias sociais dominavam as conversas na noitada que se estendeu até às 5 da manhã.

“Depois de muitos anos na TV, eu não tenho mais expectativas nem pra cima nem pra baixo. Eu aprendi que, se um produto é realmente bom, ele vai render mais cedo ou mais tarde e este com certeza é o caso do Pânico”, disse Johnny Saad, presidente do Grupo Bandeirantes.

Se Saad estava tranquilo com a estreia da nova atração da emissora, o elenco do Pânico confessou que estava apreensivo e sentindo o peso da responsabilidade de corresponder às expectativas criadas pelo canal, equipe e público.

Em uma roda de amigos na festa, o apresentador Emilio Surita contou que estava muito nervoso com a estreia na Band. O diretor do programa Alan Rapp afirmou ao Virgula Famosos: “Deu muita expectativa porque a gente sabia que o Brasil estava esperando as novidades. Teve muitas especulações em cima, muita informação cruzada, muita declaração contra. Isso mexeu muito com minha cabeça, com a do Emílio [Surita]. Eu fui no banheiro oito vezes no domingo de estreia, a minha adrenalina estava a mil. Porque a gente tem um compromisso com o público e a gente não queria decepcionar as pessoas.”

Mas a apreensão resultou em bons resultados do Ibope, críticas positivas ao programa e em um alerta vermelho de outras emissoras. O programa deu 14 pontos no último domingo e chegou a ficar em primeiro lugar na audiência por 19 minutos. Durante 50 minutos, o programa foi o segundo mais assistido, de acordo com o Ibope.

Sobre as diferenças sentidas na troca da Rede TV! pela Band, Rodrigo Scarpa, o Repórter Vesgo, disse que a estrutura foi o que mais impressionou: “A cenografia é muito bacana, nosso palco é maior e o áudio está melhor.”

Sabrina Sato sentiu que a equipe ganhou mais ânimo: “Estamos com mais gás, mais animados para fazer coisas novas.” Para Wellington Muniz, o Ceará: “Com a mudança o grupo ficou ligado, mais homogêneo, ficou mais colado. Esta mudança fez bem pro grupo.” E os resultados desta troca de emissora podem ser contabilizados nos altos índices de Ibope.

Sem mais artigos