Alexandre Nero recebeu quase sete mil curtidas, até o momento, em uma de suas publicações no Instagram, dessa quarta-feira (03), ao respondeu a uma seguidora, posicionando-se contra o pastor e presidente da Comissão dos Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados, Marco Feliciano.

Inicialmente, o ator escreveu: “Sou ator. Represento o Feliciano, mas o Feliciano não me representa”.

Em seguida, uma seguidora resolveu dar sua opinião e apoiar os comentários homofóbicos que o pastor já fez: “Quero ver quando você estiver com teus filhos em um restaurante e tiver dois gays se beijando… Aliás, todas as pessoas que pregam a favor disso! Você vai conseguir aceitar e explicar aos teus filhos o quão normal isso é? De Verdade? Sem hipocrisia! Tenho vários amigos gays, e os amo intensamente… Não sou homofóbica… Só não concordo com o casamento gay, por lei! (O papel passado) Na verdade, a única coisa que o Feliciano está tentando fazer é manter aquilo que você e eu, em outras épocas, conseguimos conquistar, a família… Pai, mãe, filhos… Mas se isso mudar, como serão as famílias dos teus, dos meus filhos? Adoro teu trabalho… Mas eu não podia deixar de escrever… Beijos querido”.

Sendo assim, Nero caprichou em sua resposta, o que chamou atenção de muitas pessoas nas redes sociais, nesta quinta-feira (04): “Oi Thais, gostaria de dar a MINHA opinião, já que foi numa postagem MINHA, que você deu a SUA. Thais, talvez isso tenha vindo pelos meios antigos de comunicação de massa (Não sei, preciso pensar melhor sobre), mas sempre há uma maneira extremada da parte deles de falar sobre os acontecimentos. O sujeito é bom ou é mau, ela é santa ou puta, oito ou oitenta e assim por diante. Quando pensamos termos como ‘homofóbico’, pensamos uma pessoa feia, malvada, de mau com a vida, que odeia a felicidade dos outros, burra e todos os arquétipos e caricaturas banais de histórias infantis ruins. Preciso lhe dizer Thais que, dentro do que compreendo, você é sim uma homofóbica, pois nada mais homofóbico do que TER MEDO (ver etimologia das palavras) de ver gays por aí beijando na boca e se amando. E não, você não é amiga de gays ou, se é, eu que não quero uma amiga assim, que não luta pelo amor de um amigo. Eu tenho amigos gays e luto pelo que ELES amam, e não o que EU amo”.

Ele ainda continuou: “O que Feliciano está tentando fazer é manter o que eu ou você, em outras épocas, chamaríamos de normal. Lembra quando a mulher não podia votar? Vocês conquistaram. Lembra quando negros não podiam estudar? Eles conquistaram… Depois de conquistar não serem vendidos como animais. Os gays merecem conquistar o que lhes é de direito, Thais. Nada mais do que isso. Acho isso tão, mas tão normal que fica difícil pra mim achar palavras pra lhe explicar. Eles somos nós, você não compreende, isso? Como serão nossos filhos e famílias? Serão diferentes, assim como você é da sua bisavó e sou do meu tataravô, graças a Deus (se Ele existir). Beijo querida”.

Sem mais artigos