Drake se manifestou contra violência policial

Instagram/Reprodução Drake se manifestou contra violência policial

A polícia dos Estados Unidos matou 102 negros desarmados e inocentes em 2015. Praticamente duas mortes por semana, sendo que a maioria foi provocada por oficiais brancos. As autoridades norte-americanas parecem esforçadas em manter a média, uma vez que, nesta semana, mais duas mortes de negros ganharam as redes sociais e geraram protestos.

Na noite desta quarta-feira (6), centenas de pessoas foram às ruas em Louisiana pedir justiça pela morte de Alton Sterling, pai e casado, que foi morto por um policial com uma série de tiros. A ação foi gravada e nela é possível ver que Alton sequer se mexeu durante a abordagem.

Por incrível que pareça, enquanto o protesto crescia, outra abordagem policial com morte foi registrada. Em Minnesota, Philando Castile , negro de 32 anos, foi assassinado na frente de sua namorada e filha após ser parado em uma blitz. A ação também foi filmada, neste caso pela própria namorada dele.

O vídeo tem mais de 10 minutos. Nele, é possível ver que Philando avisa ao policial que está armado, mas possui licença para portar o revólver. Logo depois, o oficial pede que ele pegue os documentos pessoais e do carro. Quando ele se movimenta para tirá-los de seu bolso, o agente se assusta e atira nele.

O rapper Drake, que é negro e canadense, usou o Instagram para manifestar sua revolta contra os casos recentes. Em um longo texto, Drake diz que considera os Estados Unidos sua casa e se diz assustado e preocupado com a segurança dele, de seus amigos e sua família.

carta drake

“Me sinto orgulhoso de poder chamar os Estados Unidos de minha segunda casa. Quando vi o vídeo de Alton Sterling sendo morto na noite passada, fiquei desmotivado, emocionado e muito assustado. Acordei nesta manhã com um verdadeiro sentimento de dizer alguma coisa”.

O rapper continua.

“É impossível ignorar que a relação entre a comunidade negra e forças da lei está tão tensa como era há algumas décadas. Ninguém nasce sendo apenas uma hashtag. Ainda assim, a tendência em ser reduzido a uma continua. Isso é real e eu estou preocupado. Preocupado com a segurança da minha família, amigos e qualquer ser humano que possa ser vítima desse padrão. Eu não sei a resposta, mas acredito que as coisas podem mudar para melhor. Um diálogo honesto e aberto é o primeiro passo”.

Drake finaliza a carta com condolências aos familiares de Alton.

“Meus pensamentos e preces estão com a família de Sterling e qualquer família que tenha perdido alguém neste ciclo de violência”.

11 mulheres negras que já foram vítimas de racismo

Na página do Jornal Nacional no Facebook, internautas ofenderam a raça da apresentadora e um deles se referiu à Maju como escrava:
Taís Araújo, Sheron Menezes, Rihanna, Ludmilla e outras outras artistas negras vítimas de ataques raciais.
Preta Gil mostrou em seu Facebook diversos ataques racistas que sofreu numa postagem publicada nesta segunda-feira (25). A cantora foi chamada de macaca, além de sofrer com vários xingamentos machistas.
Em outubro de 2015, seguidores entraram no Facebook da atriz e a atacaram com dizeres como
Nas redes sociais, a atriz foi atacada com comentários como
No Instagram, a cantora foi xingada de
A atriz postou uma foto no Facebook e recebeu comentários do tipo
Em 2011, uma editora de uma revista holandesa se referiu à Rihanna como
Pelo Twitter, a atriz que interpretou Rue em ‘Jogos Vorazes’ teve que ouvir que
A apresentadora contou em uma entrevista que foi impedida de comprar uma bolsa de grife em uma loja de Zurique, na Suiça, porque a vendedora não a reconheceu e disse que ela não teria dinheiro para pagar pelo produto.
 A atriz revelou ao jornal Daily Mail que já foi chamada de
 Durante a divulgação do filme 'O Mordomo da Casa Branca', no qual a cantora interpretou uma personagem que sofria preconceito, Mariah revelou que na infância tomou uma cuspida no rosto apenas pelo fato de ser negra.

Drake se revolta contra mortes de negros causadas por policiais

Sem mais artigos