A ex-mulher de Raul Seixas, Kika Seixas, está nas páginas vermelhas da revista TPM deste mês de maio. Na entrevista, falou sobre o músico e comentou a respeito do filme Raul – O Início, o Fim e o Meio, que está em cartaz no cinema.

“Depois dos shows ele queria ir para casa. Enquanto esteve comigo foi sempre assim. Um grude. Muito família, muito. Eu não conheço o Raul rueiro. O documentário deu oportunidade a alguns depoimentos histéricos que deixam a impressão de que era mulherengo, traidor. Ficou muito sexo, muita droga e pouco rocknroll. Sexualmente, ele era careta. Uma delícia, mas careta”, disse Kika.

Sobre a separação deles, ela contou: “Foi em 1984. Era uma paixão enorme e foi muito difícil deixar o Raul. Mas não tive opção, ele estava impossível. Ele usava a cocaína como estimulante para criar, criar e criar. Não estou justificando, Raul era de fato alcoólatra. Mas teve um período que começou a cheirar éter, a Vivi com 3 anos, aquele cheiro pela casa. Não deu mais”.

Desde 1999, ela vive com outro músico: “Tracei meu destino da forma que achei que deveria. Vivi um grande amor com Raul e tive a filha mais amada do mundo, minha melhor amiga hoje. Se não tivesse deixado Raul, não estaria vivendo com Arnaldo Brandão, que é o amor da minha vida”.

Sem mais artigos