Depois do sucesso com o personagem Cássio de Caras e Bocas (2009), com os bordões “rosa chiclete” e “choquei”, que invadiram as ruas, e também, na sequência, com o cafajeste Pedro de Ti-ti-ti (2010), Marco Pigossi agora está vivendo Rafael em Fina Estampa.

O rapaz da trama é apaixonado pela personagem de Sophie Charlotte, Maria Amália, o ator contou, em conversa com o Virgula Famosos, nesta sexta-feira (09), como é contracenar com ela, tendo o namorado da atriz Malvino Salvador no mesmo núcleo: “É engraçado, eu também não sabia como seria no começo. Mas é tranquilo, Malvino é um cara extremamente profissional, é um ator que está crescendo cada vez mais. Eu e a Sophie temos muita química em cena, a gente se respeita, estuda os textos juntos. O Malvino é meu amigo, fizemos juntos Caras e Bocas. Não tive nenhum estranhamento com ele nem ninguém, faz parte da nossa profissão”.

Apesar da novela ainda estar no começo, Rafael já deu indícios de ser mau caráter, ao mesmo tempo em que vive uma grande paixão. Marco conta que ainda não sabe qual será o rumo de seu personagem e se acabará se mostrando um vilão: “Ele tem esse lado humano com esse romance e isso o segura, acho que ele não seria capaz de fazer mal a namorada. Mas ele é ambicioso, vai atrás de seus interesses. Novela é uma obra aberta, a gente tem que estar aberto ao que os autores propõem para que a história funcione. Eu realmente ainda não sei como será, mas acredito que esse lado humano vá segurar um pouco as maldades dele”.

Sobre o sucesso de Cássio, em Caras e Bocas, Marco conta como construiu o papel: “Meu laboratório é diário, observar pessoas, gestos, jeitos de falar, de andar, de comer. Quando você faz televisão, pode se assistir e acrescentar ou retirar coisas. O Cássio foi crescendo dentro da novela e eu fui adicionando trejeitos a ele”.

Ele passou pela transição de viver um personagem gay e, logo em seguida, interpretar o oposto com um cafajeste. “Muita gente não me reconheceu em Ti-ti-ti, achou que fosse outro ator, pois era um visual diferente. Outras pessoas vinham me parabenizar pelo trabalho, dizendo que fui de um extremo ao outro e é muito gratificante. Alguns até vinham brincar comigo, dizendo que foram ‘enganados’, pois acreditavam que eu era de um jeito, mas na verdade não valia nada”, diverte-se o ator.

Além de Fina Estampa, Pigossi também está em cartaz com a peça As Eruditas, no teatro Brigadeiro, em São Paulo. “É um ritmo alucinante, estou com dor de garganta, resistência baixa, porque a gente não consegue ficar tranquilo. Gravo a semana inteira no Rio de Janeiro, venho para São Paulo no fim de semana e apresento a peça de sexta-feira, sábado e domingo. Muito texto, muita coisa para estudar. Mas vela a pena, porque você tem muito retorno no teatro, isso é gratificante”, contou.

Sem mais artigos