Isis Valverde, 26, falou sobre a personagem Maria Lúcia do filme Faroeste Caboclo, inspirado na música homônima da Legião Urbana, para o Marília Gabriela Entrevista, que vai ao ar no domingo (2), no canal pago GNT. “A personagem é muito triste e a solidão de Brasília está presente em todos do filme. Maria Lúcia é quase tudo isso junto”, revela a atriz. 

“Foi único. [A personagem] exigiu muito da atriz e da pessoa. Foram dois meses morando em Brasília, e isso mexeu muito com a Isis também. Vivi realmente, sofria com ela”, contou Isis.

Ela também falou sobre o início da carreira. “Comecei a fazer testes com 15 anos e fui rejeitada em vários. Mas aí eu pensava que o ‘não’ eu já tinha, então comecei a iluminar isso”, conta Isis, que iniciou a carreira na TV como Ana do Véu, no remake de Sinha Moça. “Um olheiro me viu ensaiando uma peça chamada Rosa, e me convidou para o teste”, conta.

Isis, que surpreendeu o público ao viver a intensa protagonista de “O Canto da Sereia”, conta que não acreditava que conseguiria viver uma cantora de axé. “Quando entrei no estúdio, eu pensei: ‘E agora? Não sei cantar!’. Pedi dublador. Todo mundo estava confiando e eu desconfiando. Essa descrença talvez tenha sido necessária”, avalia. “Quando subi no trio elétrico em Salvador, com 800 pessoas lá embaixo, com a roupa dela, o cheiro dela, a música saiu! Depois disso, nada mais me deu insegurança”, completa.

Sem mais artigos