Ivete Sangalo está vivendo uma experiência nova em sua vida atuando na novela Gabriela na pela de Maria Machadão. Em entrevista para o site da trama da Globo, publicada nesta segunda-feira (30), a cantora falou sobre este trabalho como atriz

“Eu não quis ver a primeira versão da novela por não ser uma atriz experiente. Hoje já me considero uma atriz, estou me dedicando muito, mas sei que sou uma iniciante. Gabriela é uma obra fechada, mas quem traz à tona a personalidade dos personagens é o ator”, disse a baiana.

Ela contou com a ajudinha especial de um colega de elenco: “[Antonio] Fagundes me pegou pela mão e disse: ‘Olhe, querida, você se acalme, você vai arrasar!’. Sabe quando você tá no escuro e a pessoa te traz uma lanterna? Foi assim. Ele é maravilhoso. E ele tem uma coisa incrível que é acreditar no que está acontecendo enquanto atua. Eu pensava comigo: ‘Eu não tenho outra alternativa senão ser Machadão’. Não era Fagundes, não era eu. Éramos Ramiro [Bastos] e Maria Machadão. É constrangedor se eu não fizer bem”.

A cantora ainda se comparou aos personagens da época: “Se eu vivesse naquela época, ia ser quenga! Eu não sei se eu me adequaria às regras daquele tempo. Existe um drama em torno dessa época, mas acredito também que existiam mulheres que se casavam por amor e maridos que amavam suas esposas”.

Ivete também aproveitou para defender a sua personagem na trama: “Machadão é uma mulher endurecida pela vida e muito manipuladora. Mas a doçura dela existe, porque amou e não teve retorno. Então quando vê alguma menina tentando viver o que ela já viveu, protege de uma forma áspera. Ela ama muito as quengas sem poder dar ousadia, então pune as meninas com severidade, mas sem perder a doçura”.

Sem mais artigos