A escritora Maria Adelaide Amaral conversou com Sarah Oliveira para o programa Viva Voz, que vai ao ar nesta sexta-feira (27), no canal pago GNT. Autora de várias minisséries exibidas na TV Globo, como Mulher, Dercy de Verdade, JK, A Casa das Sete Mulheres, Os Mais e A Muralha, ela comentou que essas obras costumam ser épicas, mas com presença de dramas nas histórias dos personagens envolvidos.

“É a história ou do Estado ou da cidade, ou do país naquele momento”, disse. E ainda acrescentou: “O que não posso perder de vista ao escrever é que tenho que contar a história tocando o coração das pessoas. E se isso não acontecer, não terei retorno”.

Além das minisséries, ela também já escreveu novelas como A Próxima Vítima, Deus Nos Acuda, Sonho Meu, Anjo Mau e seu último trabalho no remake de Ti-ti-ti, exibido em 2010, que teve Cassiano Gabus Mendes como autor da trama original.

Sobre este trabalho, Maria Adelaida contou acreditar que para um remake dar certo, precisa ser fiel ao espírito do original, mas com a necessidade de ser reinventado: “Mexo em profundidade. Acho que é por isso que dá certo. Isto é outro mundo, é outra era”.

Atualmente, ela está trabalhando em sua próxima novela, que substituirá a novela Cheias de Charme no horário das 19h. O título da trama ainda não foi definido, mas segue provisoriamente sendo chamada de Sangue Bom: “Está todo mundo pedindo que fique [este título]. Vamos ver, vamos ver. Precisa ver como é que vai dar na numerologia, porque acredito nestas coisas”.

Sem mais artigos