“Minha profissão é ser atriz e não transexual”, afirmou Maria Clara Spinelli em entrevista publicada no site do jornal O Dia nesta quinta-feira (11). A atriz, que nasceu menino, é a primeira transexual a ganhar um papel fixo em uma novela das nove, vivendo a também transexual Anita em Salve Jorge

“A indústria do entretenimento não sabe direito o que fazer com uma atriz que nasceu transexual. O equívoco já começa, muitas vezes, no rótulo que me colocam: ‘atriz transexual’. Creio que isso não existe. Sou uma atriz e ponto. Então, esse estranhamento em lidar com alguém que transitou entre os gêneros, e na cabeça das pessoas não está definido se é homem ou se é mulher, causa essa barreira em se olhar apenas para o conteúdo artístico que esse profissional pode oferecer. Minha profissão é ser atriz, e não transexual”, afirmou ela na entrevista.

Ainda sobre a inevitável questão da sua sexualidade, Maria Clara disse: “A resposta sobre o porquê tornar pública essa minha individualidade tão íntima é uma só: a necessidade de ser atriz. Antes de ‘Quanto Dura o Amor?’ [longa de 2009 dirigido por Roberto Moreira e a estreia de Maria Clara como atriz] eu já havia sido convidada para fazer outro filme. Na época recusei porque não queria me expor (…) Mas, com o passar do tempo, descobri que ser atriz para mim vai muito além de qualquer vaidade ou outro sentimento menos nobre. Ser uma atriz/criadora é a maneira com que me sinto conectada com o mundo, é quando minha vida faz sentido (…)Então, esse é o preço que eu pago para ser atriz. Não há outra opção.

Sem mais artigos