Muito antes do termo autoajuda, o livro O Pequeno Príncipe já era tratado como tal. Best seller, clássico entre os livros franceses, o preferido das misses, seu autor Antoine de Saint-Exépury, que, nesta quinta-feira (31), faz 70 anos do aniversário de sua morte, era um homem ligado à mecânica e aviação. Muito improvável, aparentemente, que um livro tão delicado saísse de suas mãos.

Escrito durante seu exílio nos Estados Unidos, durante a Segunda Guerra, Exépury era filho de nobres, era conde, foi aviador e tinha também certo fascínio pelos conflitos bélicos. Entretanto, sua obra mais famosa pede que adultos voltem a cultivar as crianças que existem dentro delas.

O Pequeno Príncipe teve grande sucesso, mas o autor não conseguiu saborear a fama que o livro viria a ter. Ele lança o livro em Nova York, em 1943, e parte para sua última missão na resistência francesa. Seu avião é abatido, em 1944. Antes da viagem sem volta, ele visita sua amiga Silvia Hamilton e pede: “Eu gostaria de te dar algo esplêndido, mas isso é tudo o que tenho”. No pacote, os manuscritos do livro e os desenhos que fez do personagem Pequeno Príncipe.

As frases do livro até hoje são repetidas e citadas (tudo bem que, na Internet, Clarice Lispector e suas pensatas reais e falsas ocuparam o lugar das do Pequeno Príncipe). Mas como mesmo diz o autor: “tu és eternamente responsável por aquilo que tu cativas”.

Vejas na galeria dez frases famosas de Antoine de Saint-Exépery.

Sem mais artigos