2013 foi considerado o ano David Bowie. Com um esperado álbum novo desde o Reality, de 2003, o single de The Next Day, Where Are You Now foi lançado há exatos um ano, em 8 de janeiro. Elogiado pela crítica, logo se tornou o álbum mais vendido no Reino Unido e findou a década de silêncio do Camaleão do Rock. O músico também foi o tema e a alma de uma exposição (com direito a sound + vision – som e vídeo e fotos e roupas) no prestigiado Victoria and Albert Museum, em Londres. E, nesta quarta-feira (08), o roqueiro completa 67 anos, mas assim como, para muitos, 1968 foi um ano que não terminou, o seu também está longe de encerrar.

No final deste mês, a exposição sobre David Bowie desembarca em São Paulo e promete ser tão concorrida como a que aconteceu em Londres. Ele também, depois de participar de um vídeo publicitário da Louis Vuitton no ano passado, irá estampar outdoors e revistas para a mesma campanha da marca.

O jornal inglês Independent escreveu que The Next Day como “o melhor álbum de retorno da história do rock and roll”, mas para os fãs, Bowie nunca os deixou e uma página no Facebook foi aberta para que todos, que adoram o Ziggy e todas as suas personas, possam lhe desejar feliz aniversário (clique aqui para participar).  Hot tramp, I love so!

Entre diversos motivos para celebrar o aniversário de Bowie, para além da música, aqui vão três de fundo metafísico:

1) Seu nome não era Bowie, ele o escolheu em referência às facas Bowie, famosas por cortar bem dos dois lados. Em inglês, cortar bem dos dois lados, significa que algo tanto pode ser feito para o bem como para o mal. Isto é, Bowie contra qualquer ideia maniqueísta.

2) Seu amigo George Underwood acertou-lhe um soco, na época da adolescência, por causa de uma garota. A pupila direita do roqueiro dilatou-se e é hoje uma das marcas de Bowie. Mas engana-se que Bowie ficou com mágoa de Underwood, ele o chamou para fazer a arte de alguns de seus álbuns. Isto é, Bowie contra o rancor.

3) Nile Rodgers, fundador da banda Chic  e hoje muito conhecido da novas gerações por fazer a parceria com Daft Punk em Get Lucky, fez um teste em 1975 para entrar na banda de Bowie, foi reprovado. Porém, anos mais tarde, em 1985, ele produz o álbum Let´s Dance, que vendeu muitíssimo. Isto é, Bowie a favor do tempo.

Um pouquinho mais:

Vídeo de Bowie no Soul Train, programa da TV americana. Bowie a favor da miscigenação:

Sem mais artigos