Em entrevista ao jornal O Globo do último domingo (27), Drica Moraes falou sobre sua luta contra o câncer e a alegria de voltar ao trabalho.

“Recebi o diagnóstico no dia 10 de fevereiro. Naquele dia eu morri. Mas depois que você se interna é só luta e cura, recuperação e cura. Apenas isso”, conta a atriz que foi submetida a um transplante de medula óssea em 23 de junho do ano passado.

Em cartaz nos cinema de todo o país com o filme Bruna Surfistinha, onde vive a cafetina Dona Larissa, Drica revelou ou que os sintomas da doença se manifestaram durante as gravações do longa. “Baixei no hospital algumas vezes, mas achava que era uma virose, porque o difícil da leucemia é fechar um diagnóstico”, revelou.

Drica nunca conheceu o doador anônimo de medula óssea que salvou a sua vida. “O homem da minha vida. A vontade de conhecê-lo é enorme. Fico impressionada com a capacidade de adaptação do ser humano. A minha principal fábrica de células agora não é minha. E mesmo assim estou me dando muito bem com ela”, explica a atriz.

“Acho que definiu todo o jogo da recuperação. Apesar de tudo, é preciso ser assertiva, positiva. Muitas vezes fui dormir sem saber se iria acordar.  Muitas noites não terminavam, e isso foi até bem pouco tempo atrás”, conta a atriz que acha que seu pensamento positivo foi fundamental para a cura de sua doença.

“A sensação é de começar do zero, como se fosse algo que nunca exerci na vida. O que você tirava de letra agora demanda concentração. Aquele nervoso antes de gravar, a ansiedade que te faz pensar que esqueceu tudo. Eu ainda tenho a memória um pouco alterada. Mas aí você fecha os olhos, respira fundo e vai embora. Foi um prazer!”


Sem mais artigos