A observação nem precisa ser tão atenta para que se perceba como as modelos da 20ª edição da São Paulo Fashion Week são homogêneas.

As loiras e branquinhas, de cabelos longos e lisos, são predominantes. Todas magérrimas, obviamente. Poucas morenas. Poucas negras. A maioria de olhar perdido – ou porque são iniciantes e olham o chão e a platéia, ou porque seguem o “estilo”.

No último dia da Semana de Moda paulistana, já temos a modelo que mais se destacou na passarela: a loirinha Carol Trentini.

A top gaúcha, de apenas 18 anos, participou da maioria dos desfiles, quase sempre em posições de destaque, como a primeira e a última a entrar na passarela.

Mas o que essa menina tem de mais?

Carol é loira, como a maioria. É magra e alta – 1,80m e 55 Kg -, como todas. É jovem, lógico.

Mas o que realmente destaca Carol Trentini diante de todas as outras é sua atitude na passarela. Atitude nitidamente visível durante o desfile de Lino Villaventura, na noite do último domingo.

Carol olha para a frente. Ela tem gingado, um rebolado que as outras não têm. O olhar transmite segurança e os lábios exibem um leve sorriso, coisa nula entre as demais.

Descoberta na rua, quando tinha 15 anos, a modelo recebeu apenas duas blusas de R$ 120 por seu primeiro trabalho, um showroom da grife Carlota Joaquina, de Glória Coelho. Hoje não revela de modo algum o valor de seu cachê.

Após o São Paulo Fashion Week, Carol parte para as temporadas de Moda européias.

Sem mais artigos