Obama, Former Presidents Commemorate 50th Anniversary Of MLK's March On Washington

Ser presidente da maior nação do Ocidente não faz de você alguém imune ao preconceito racial. Que o diga Barack Obama e sua mulher, Michelle Obama, que deram uma entrevista, publicada nesta quarta-feira (17), sobre o tema à revista People. À publicação, o homem à frente dos Estados Unidos contou que já foi confundido com um garçom em um jantar de gala. É mole? Eu é que não queria ser o sujeito que cometeu essa gafezinha…

“Não há nenhum homem negro da minha idade, que é um profissional, que quando saiu de um restaurante e esperava seu carro, alguém não entregou as chaves para ele ir buscar”, disse Obama. Michelle ainda lembrou um caso ocorrido com seu marido: “Ele estava usando um smoking em um jantar black-tie, e alguém lhe pediu para ele trazer um café”.

Michelle também já foi vítima de preconceito:  “Conto uma história – quando eu já era primeira-dama – durante uma viagem maravilhosamente e que eu não estava disfarçada, a única pessoa que veio até mim em uma loja que visitei, foi uma mulher que me pediu para ajudá-la a pegar algo de uma prateleira. Esses tipos de coisas acontecem na vida. Portanto, não é nada de novo”.

Obama afirmou ainda que vê um progresso com relação ao tema, mas que ainda falta muito por fazer: “As pequenas irritações ou indignidades que experimentamos não são nada comparadas ao que a geração anterior experimentou. Uma coisa é eu ser confundido com um garçom em uma festa de gala. Outra coisa é minha filha ser confundida com um ladrão e ser algemada”.

Se não está fácil para Obama, imagina para quem não é presidente…

 

Sem mais artigos