Se para muitos é uma novidade o Pânico na Bandeirantes, para o presidente da emissora, Johnny Saad, este já era um sonho desde o começo dos anos 2000. Ele revelou em entrevista exclusiva para o Virgula Famosos: “Na verdade, fora fã que eu já sou há muito tempo, este projeto de levar o Pânico para a televisão começou na Band. Começou há muito anos com Rogério Gallo [então diretor geral da TV Bandeirantes] e alguns profissionais que rascunharam junto com o Tutinha e o Emílio [Surita] as ideias para fazer o nascimento deste programa”.

Saad conta que os planos foram frsutrados: “Mas, nessa época teve uma mudança na área da vice-presidência, e quando assumiu o novo vice-presidente, ele acabou mudando os planos e transformou a história e o Pânico foi parar na Rede TV”.

Ele também sentiu que a felicidade que teve pela vinda do Pânico se refletiu no elenco do humorístico: “Percebi esta felicidade da vinda do Pânico no ar, as matérias, nas repostas do público, isto não é uma coisa que você consegue ensaiar. Eu senti nos pequenos detalhes que basicamente a equipe estava se sentindo em casa de forma profissional e foi bem acolhida”.

Um dos sucessos do novo Pânico, o Jornal do Boris, feito pelo Carioca, agradou muito Saad, mas ele ficou apreensivo para saber a reação de Boris Casoy. “Logo depois [do programa ir ao ar], fui num jantar que estava o Boris e minha preocupação era saber se ele tinha gostado. No meio do jantar, eu percebi que o Boris se divertiu com a imitação”.

Sem mais artigos