“Os dias de hoje são muito promíscuos”. quantas vezes você ouviu isso? Ou que antigamente não tinha essa “baderna”, essa “anarquia” que existe hoje? Bem, de acordo com o livro recém-lançado Of All the Gin Joints: Stumbling Through Hollywood History (algo como Onde Todos os Bebedores de Gin Vão: Cambaleando pela História de Hollywood), de Mark Bailey, as coisas não eram bem assim. A publicação bafônica, na verdade, revela que a cena dos estúdios de Los Angeles estava muito mais próxima do que podemos imaginar ao clima de uma pornochanchada brasileira à la Oh! Rebuceteio, filme de 1984 dirigido por Cláudio Cunha.

Só para constar, rebuceteio significa confusão e o filme em questão, como podem ver pelo trailer abaixo, é muito sério, muito artístico :p

Voltando ao Gin e Hollywood, a chamada Era de Ouro de Hollywood tinha mais festas do que se imaginava. Entre os bêbados mais notórios estavam o casal formado por Liz Taylor (morta em 2011 aos 79 anos) e Richard Burton (morto em 1984 aos 58 anos).

De acordo com o livro, durante as filmagens de A Noite do Iguana (1964), de John Huston, Burton começava a beber às 7h (sim, da manhã!!!!!!). Liz, que não atuava no longa, pegava mais leve e começava mais tarde, por volta das 10h, mas ela iniciava os trabalhos já com uma dose de vodca. “Quando Liz Taylor desfilava pelo set com um biquíni cada vez mais revelador, Burton olhava para ela como se ela fosse uma Lolita com idade para casar”, escreve Bailey. Em 1964, ano em que Taylor e Burton se casaram pela primeira vez, ela tinha 32 anos.

Bailey conta também que Natalie Wood (morta em 1981 aos 43 anos) começou a beber aos 15 anos, e copm ninguém menos que Frank Sinatra, tipo padrinho do “mé”. Aos 17, quando filmou Juventude Transviada, de Nicholas Ray, Natalie concordou em participar de um ménage com seus colegas Dennis Hopper e Nick Adams, mas apenas se ela pudesse tomar um banho de champanhe antes. Apenas…

Há ainda a história de Humphrey Bogart (morto em 1957 aos 57 anos), em 1949, tentando entrar em uma balada, em Nova York, com dois pandas de pelúcia gigantes. Ele ainda teria dito: “Eu posso levar os meus pandas aonde eu quiser e se eu quiser comprar uma bebida para eles, isso é da minha conta”. Oquei, né.

Bem, parece que era divertido ser ator em Hollywood. E parece que ainda é. Por falar nisso, que tal dar uma olhada no álbum de fotos do produtor Michael White, de 78 anos? Ele é tema do documentário, inédito no Brasil, O Último Produtor de Teatro, e, para divulgar o filme, o próprio colocou, no site oficial, várias imagens de festas com a turma toda das celebridades. Está tudo na galeria lá em cima ;)

Sem mais artigos