Reynaldo Gianecchini é o destaque da edição de fevereiro da revista 29Horas, que é distribuída nas áreas de embarque do Aeroporto de Congonhas, em São Paulo. Atualmente, ele vive um motorista no remake de Guerra dos Sexos, novela exibida na faixa das 19h na TV Globo.

Sobre o personagem, ele contou: “O Nando é um elo entre todos e sempre aparece alguém perguntando por ele. É um trabalho delicioso, que me toma os três períodos do dia, mas que dá muito prazer. Ele guarda a bondade da pessoa simples, que veio do interior e faz falta na vida das pessoas nos dias de hoje. Por isso, ele faz sucesso”.

Desde a infância, ele já dava indícios de que seguiria na carreira artística. Mesmo assim, o ator chegou a fazer curso de direito na PUC em São Paulo e, no final da faculdade, decidiu tentar a vida como modelo. Só em 2000 ele finalmente estreou como ator, vivendo Edu na novela Laços de Família.

“Fazer teatro e criar peças eram algumas das minhas brincadeiras preferidas. Havia uma magia muito forte em tudo isso, embora eu não tivesse consciên­cia desse universo, bastante distante da cidade de Birigui (onde nasceu, no interior de São Paulo). A única certeza que eu tinha é que eu seria cidadão do mun­do”, revela o ator.

Hoje, mais experiente, Gianecchini leva a vida com mais serenidade: “Acor­dar e sair correndo é algo que eu não consigo fazer. A medi­tação me equilibra e me faz viver um dia de cada vez. Espe­cialmente agora, aos 40 anos, sinto como é importante ter esse momento. Descobrimos, desde cedo, que somos sozinhos. É muito importante saber lidar com a solidão. Posso estar com mui­tas pessoas e, mesmo assim, estar sempre em contato co­migo mesmo. Sou espiritualista, sei que a vida não termina aqui, agora. Sei que não terminou para o meu pai (Reynaldo Cisoto Gianecchini, que morreu em 2011). Antes, ele estava em Birigui. Hoje, eu sei que ele está próximo, perto de mim. Nunca o senti tão próximo como agora”.

Sem mais artigos