google vulcao

Google

Google Maps é nosso olho digital, que permite que a gente consiga ver detalhes de quase todas as partes da superfície da Terra. Agora, a novidade do serviço é nos levar para escalar um vulcão.

O Google Street View permite que a gente explore um dos maiores “lagos de lava fervente” do mundo. Basta rastrear a cratera Marum, na ilha de Vanuatu chamada Ambrym (clique aqui).

O vulcão é a última fascinante e impraticável novidade do Street View. Em fevereiro, a tecnologia disponibilizou vistas panorâmicas da Groelândia.
ambrym

Vanuatu é um arquipélago com 80 pequenas ilhas que ficam  a mais de 160 km da costa da Austrália. A ilha de Ambrym tem dois vulcões ativos: Marum e Benbow.

Para olhar dentro da cratera de Marum, o Google recrutou os exploradores Geoff Mackley e Chris Horsly, que usaram a câmera Trekker 360º. O vulcão tem, aproximadamente, o tamanho de dois campos de futebol.

“É como olhar para a superfície do sol”, disse Mackley. Horsly afirmou que esperava que “ao colocarem esse lugar no mapa, as pessoas iriam nota o quanto o mundo em que elas vivem é lindo”.

Google Earth: veja os locais que são secretos no serviço de satélite

A base aérea de Volker é digitalmente alterada no Google Earth par anão revelar detalhes de suas estruturas. De acordo com o WikiLeaks, o motivo é a existência de armas nucleares no local, que também é usado pela força aérea holandesa para shows aéreos de demonstrações. A base aérea possui dois esquadrões de caças F-16 e 22 bombas nucleares que seriam dos Estados Unidos, posicionadas estratégicamente na Holanda durante a Guerra Fria.
A ilha de Gruinard, na Escócia, tem pouco mais   de 1,5 km de largura e fica entre Gairloch e   Ullapool. Desabitada há anos, ela tem sido   usada como teste pelos britânicos. Durante a   Segunda Guerra Mundial, várias bombas de   Anthrax foram explodidas nelas. Armas químicas   foram testadas em 60 ovelhas que morreram em   poucos dias. Nos anos 90, ela foi   descontaminada e fechada. No Google Earth, ela   aparece borrada e sem detalhes.
O Jardim de Getsêmani, em Israel, é um dos   locais sagrados mais visitados do mundo, sendo   o local onde Jesus teria passado a noite antes   de ser crucificado. Coberto por oliveiras de   até 900 anos, o local curiosamente tem suas   imagens muito mais borradas que as regiões   próximas.
Medina, na Arábia Saudita, é um dos locais de maior peregrinação no Oriente Médio. Não muçulmanos são proibidos de entrar na parte principal do templo, mas permitidos no centro da cidade.
A base aérea de Narsaarsuk, na Groenlândia,   possui uma das histórias mais chocantes de   casos militares. Um bombardeiro B-52 carregado   com bombas de hidrogênio caiu após um incêndio,   obrigando sua equipe de seis pessoas a saltar   para fugir - apenas um morreu preso ao avião. A   arma nuclear caiu no mar congelado fazendo o   material detonar, contaminando o oceano com   plutônio. Por estes motivos, é quase impossível   ver detalhes nas imagens do local do acidente.
Estes recifes de corais na Polinésia Francesa   são lindos, não? Imagina passar as férias lá?   Nem pense nisso. Este é um dos locais mais   mortais do mundo por causa da França. Entre   1966 e 1996, foram realizados 193 testes   nucleares no local. Vários estudos foram   realizados e diversas organizações imploraram   para a França interromper os testes e limpar a   área.
Roswell é um lugar icônico para os fãs   histórias sobre alienígenas. O local ficou   famoso após um acidente em 1947, quando um   balão de vigilância caiu em uma fazenda. O caso   levantou suspeitas, já que esta região ficou   famosas pela aparição de OVNIs. Não adianta dar   zoom, você não verá nada nesta região.

Agora o Google Street View te leva para "escalar" um vulcão em Vanuatu

Sem mais artigos