A Fórmula Indy voltará a ter prova no Brasil a partir do ano que vem, com assinatura de contrato com o Governo do Distrito Federal válido até 2019, de acordo com anúncio realizado na última quinta-feira (18) em Brasília.

“Estamos muito ansiosos para seguir com a rica história desta categoria no Brasil”, disse Mark Miles, diretor-executivo da Hulman & Co., empresa que é dona da Indycar, que organiza a competição.

A prova de 2015 está marcada para o dia 8 de março, e para sua realização o autódromo Nélson Piquet terá que passar por reformas, que estão orçadas em R$ 60 milhões, conforme explicou o governador do Distrito Federal, Agnelo Queiróz.

As obras incluirão a instalação de seis arquibancadas provisórias, com que se pretende duplicar a atual capacidade de público do autódromo, que é de aproximadamente 50 mil espectadores.

“Estamos determinados a fazer as melhoras necessárias para atender as exigências da Indycar, também da MotoGP e da própria Fórmula 1”, disse o governador.

A reforma do circuito de Brasília estava previstas desde o ano passado, durante as negociações para receber uma prova da MotoGP nesta temporada, que chegou a ser agendada, mas acabou cancelada, por causa dos atrasos do cronograma.

A última vez que o Brasil sediou uma prova da Fórmula Indy foi em 2013, em São Paulo. Por três anos, a capital paulista foi palco da disputa, mas a etapa deste ano acabou cancelada.

Miles garantiu hoje que o retorno ao país aconteceu diante de um convênio firmado entre a Hulman & Co., o governo do Distrito Federal e a emissora de TV Band, que detém os direitos de transmissão da Indy.

Sem mais artigos