Nem mesmo a glória de alcançar sete títulos mundiais de Fórmula 1 é capaz de apagar os rastros do tempo. Coadjuvante em sua volta à categoria em 2010, o alemão Michael Schumacher, da Mercedes, não chama a atenção nem mesmo de seu fã de infância, o inglês Lewis Hamilton.

Em entrevista concedida à imprensa local em visita à Alemanha, o piloto da McLaren ressaltou sua desilusão quanto às atuações abaixo da média do ídolo nas 15 primeiras corridas da temporada. “No começo, eu estava muito animado quanto ao seu retorno. Mas, agora, não é a mesma coisa, porque ele está quase sempre correndo atrás de mim. Então não tem mais nenhum valor bater o Schumacher”, desprezou o campeão de 2008.

Hamilton fez sua estreia em 2007, exatamente no ano seguinte à “aposentadoria” de Schumi. Por conta disso, foi um dos competidores mais empolgados com o retorno do heptacampeão às pistas. A prova do mau desempenho do ex-companheiro de Rubens Barrichello está nos números. O maior vencedor da história da Fórmula 1 não tem sequer metade dos pontos que o seu parceiro de Mercedes, o compatriota Nico Rosberg

Sem mais artigos