Essa semana não se falou em outra coisa a não ser do aplicativo Tubby que nem foi lançado, mas já causou o maior burburinho nas redes sociais. Uma espécie de versão masculina do Lulu, o novo app (previsto para ser lançado entre os dias 05 e 06), causou expectativa nos homens e desespero nas mulheres. Isso porque a ideia é que eles digam se elas são boas de cama.

Os criadores – até outro dia anônimos, mas que agora já revelam seus verdadeiros nomes – Rafael Fideli, de 22 anos e Guilherme Salles, 20 anos, foram até o Pânico na Rádio, da Jovem Pan, nesta quarta-feira (04) e bateram um papo exclusivo com o Virgula Lifestyle sobre todo esse bafafá que o app está causando.
       

Qual foi a intenção de vocês ao criarem o app Tubby?

Guilherme: A gente já conhecia o aplicativo Lulu porque faz um tempo que ele existe nos EUA. Aí uma noite eu pensei em criar a versão masculina e liguei para o Rafael. Ele curtiu a ideia e começamos a desenvolver o app. A intenção não é prejudicar as mulheres e sim ajudar os homens. É para ser uma descontração, os homens falam sobre essas coisas na mesa do bar. O que estamos fazendo é apenas passar isso para a internet.

Isso não é uma vingança por causa do Lulu? Como vocês dois foram avaliados no app exclusivo para mulheres? 

Rafael: É claro que para o cara que foi mal avaliado no Lulu o Tubby vai ser sim uma vingança. Mas para os caras que foram bem avaliados será só uma brincadeira. Nós dois só recebemos uma avaliação no Lulu e foi boa. 

Vocês não acham que pegaram mais pesado?

Rafael: Realmente o homem coloca a hashtag que ele quiser. Já temos a hashtag fixa que é #engoletudo e também recebemos algumas sugestões, como #SoPrecisouDeUmCinema. Mas não vamos permitir ofensas, só vamos permitir que os usuários abram sua mente”, diz Rafael.

Muitas mulheres correram para sair do Tubby assustadas com o conteúdo do app. Mas surgiram boatos de que de nada adiantava e que vocês até teriam adquirido mais dados sobre elas.

Rafael: Não é nada disso. Quando você clica em se desvincular do app ele só identifica o seu Facebook e é a própria rede social que disponibiliza os dados da pessoa. Mesmo sem estar no ar foi possível sim as meninas saírem do Tubby. As que não conseguiram ainda terão que esperar o app ficar pronto. A mesma coisa acontece com o cadastro dos homens. A procura foi tanta que sobrecarregou o sistema. Mas os cadastros serão feitos quando ele estiver funcionando.”, afirma Rafael.

Vocês não estão com medo de serem processados assim como o Lulu foi?

Guilherme: Nós estamos preparados e já contratamos um advogado. Mas não vemos o porquê de sermos processados por isso”.

Agora que já se identificaram como os criadores do Tubby não acham que terão problemas com as mulheres?

Guilherme: Já escutei de uma menina que ela iria jogar pedra em mim”, conta. Já Rafael diz que não está preocupado com isso. Não sei por que as mulheres estão tão preocupadas com o app. Espero que elas pensem que não precisam ter medo, porque sei que tem muitas que se garantem. Quem não deve, não teme.      

 

"Quem não deve, não teme", afirmam os criadores do Tubby

Sem mais artigos