O alemão Nico Rosberg “roubou” o posto que parecia ter como dono o companheiro de Mercedes, Lewis Hamilton, e venceu neste domingo (16) o Grande Prêmio da Austrália, disputado no circuito de Melbourne, que foi ruim para Felipe Massa, Sebastian Vettel e para o britânico que largou na pole position.

O primeiro líder do Campeonato Mundial em 2014 pulou para a ponta logo na largada, ao deixar para trás Hamilton e o australiano Daniel Ricciardo, que acabou ficando na segunda colocação, estreando no pódio, mas sendo desclassificado em seguida. O segundo ficou sendo, então, o novato dinamarquês Kevin Magnussen, com o pódio completado por Jenson Button, ambos da McLaren.

Aliás, a novidade do time inglês para a temporada, por apenas um mês não superou o alemão Sebastian Vettel como o mais jovem piloto a subir no pódio na Fórmula 1. O tetracampeão mundial é o recordista com 21 anos, dois meses e 11 dias.

Marcada pelos diversos abandonos na primeira metade (seis antes da volta 30, e sete no total), o Grande Prêmio da Austrália teve um desfecho surpreendente devido ao abandono de Hamilton logo nas primeiras voltas, mas acabou com a confirmação de que os carros impulsionados pelo motor Mercedes estão em ligeira vantagem.

Hoje, Nico Rosberg, conquistou a quarta vitória na categoria. Novamente, o piloto sobe no lugar mais alto do pódio de um GP vencido também pelo pai. O finlandês Keke Rosberg venceu na Austrália, só que no circuito de Adelaide, em 1985. Pai e filho já fizeram “dobradinha” em Mônaco, em 1983 e 2013, respectivamente.

Completaram a zona de pontuação o espanhol Fernando Alonso, da Ferrari, o finlandês Valteri Bottas, da Williams, o alemão Nico Hulkenberg, da Force India, o finlandês Kimi Raikkonen, da Ferrari, o francês Jean-Éric Vergne e o russo Daniil Kyvat, ambos da Toro Rosso.

Para Felipe Massa, da Williams, o domingo acabou sendo curto, sem nem passar da primeira curva. Logo após a largada, quando procurava a melhor posição para fazer a manobra, acabou atingindo por trás pelo japonês Kamui Kobayashi, da Caterham.

O desempenho do companheiro do brasileiro, no entanto, que fez diversas ultrapassagens depois de sofrer um acidente na volta 11, para chegar na sexta colocação, deixa esperanças de que o carro do time de Groove é um dos melhores deste início de temporada.

O fim de semana “pré-corrida” foi de domínio da Mercedes, que teve Rosberg e Hamilton liderando treinos. O único intruso foi o Alonso, com a Ferrari, primeiro colocado na atividade de abertura do GP da Austrália, na quinta-feira.

No sábado (15), o campeão mundial de 2008 colocou a escuderia alemã na pole position, ao vencer duelo com o companheiro de equipe e com o australiano Daniel Ricciardo, da Red Bull. Massa garantiu o nono lugar no grid, e Vettel apenas o 12º.

A prova deste domingo começou conturbada. O francês Romain Grosjean, da Lotus, largou dos boxes, e antes mesmo do sinal verde foi punido com um ‘drive through’ por ter atrasado o posicionamento do carro.

A primeira largada da temporada acabou adiada, devido problemas no carro do francês Jules Bianchi, da Marussia, que também acabou indo para os boxes, de onde saiu apenas na sexta volta. Com isso, os pilotos tiveram que realinhar novamente.

Felipe Massa, no entanto, não esperava os problemas maiores estavam por vir. Após Rosberg e Ricciardo pularem na frente de Hamilton, o brasileiro acabou sendo tocado pelo japonês Kamui Kobayashi, da Caterham, ainda na primeira curva.

A vida também não foi fácil para Hamilton, que teve rendimento muito ruim, perdendo diversas posições. O britânico recebeu ordem para abandonar a prova pela equipe, o que aconteceu na quarta volta, devido a problemas no motor.

Em seguida foi a vez de Vettel encerrar sua participação no GP, depois de se arrastar na pista, chegando a virar quase 20 segundos mais lento que os carros da ponta. O abandono tirou do alemão qualquer chance de conquistar a 10ª vitória seguida na categoria, ampliando recorde absoluto na F1.

Enquanto “medalhões” sofriam problemas, Rosberg e Ricciardo aproveitavam para abrir frente diante dos rivais, com o alemão sempre mantendo uma boa distância do australiano.

Na volta 11, Bottas saiu de traseira na curva 10, tocou o muro e “perdeu” o pneu na pista, o que provocou a entrada do carro de segurança. Após a relargada, no entanto, as primeiras posições não mudaram, e seguiram com Rosberg, Ricciardo, Magnussen, Hulkenberg e Alonso, nesta ordem.

Se os ponteiros não faziam ultrapassagens, o companheiro de Felipe Massa dava show, ultrapassando um a um os rivais, depois da grande perda de tempo pelo acidente no início da prova, até entrar na zona de pontuação, já na 23ª volta.

Depois da volta 30, os pilotos começaram a fazer suas últimas paradas nos boxes, colocando pneus médios. Único entre os líderes a ganhar posição com o pit foi Fernando Alonso, que ultrapassou Nico Hulkenberg.

O espanhol protagonizou o melhor duelo da prova, justamente na volta de sua parada, quando sofreu ataque intenso do alemão da Force India, mas garantiu a permanência na quarta colocação, que acabou sendo perdida mais tarde para Jenson Button.

Na reta final da prova, enquanto Rosberg seguia confortável com imensa vantagem para os rivais, a maioria dos pilotos parecia tentar poupar os motores para o fim da prova, com exceção de Magnussen e Button, que foram à caça de Ricciardo.

Nenhum dos dois conseguiu a ultrapassagem e o pódio ficou inalterado, com Rosberg cruzando a linha de chegada na primeira posição, para repetir vitória do pai na Oceania, 29 anos depois, e a liderança da temporada 2014 da Fórmula 1.

Ricciardo é desclassificado por irregularidade no fluxo de combustível

A alegria do australiano David Ricciardo pela estreia na Red Bull com um segundo lugar neste domingo no Grande Prêmio da Austrália de Fórmula 1 durou poucas horas, já que a Federação Internacional de Automobilismo (FIA) o desclassificou da prova devido a uma irregularidade no fluxo de combustível.

O piloto australiano, que disputou em casa sua primeira corrida pela Red Bull, após dois anos na Toro Rosso, foi investigado desde o final da prova por “exceder amplamente a limitação de combustível em 100 quilogramas”, segundo os comissários de de prova. Após a decisão, a equipe austríaca anunciou a intenção de “apelar imediatamente”.

“A medição dos fluxos de combustível por parte da FIA foi inconsistente durante todo o fim de semana e na área de garagens. A equipe e a Renault (fornecedora de motor) têm certeza que o combustível injetado no motor cumpre totalmente as regras”, argumentou a Red Bull em comunicado.

Resultado do GP da Austrália (57 voltas = 302,271 quilômetros):

.1. Nico Rosberg (ALE/Mercedes) 1h32min58s.
.2. Daniel Ricciardo (AUS/Red Bull) a 24s. (desclassificado)
.3. Kevin Magnussen (DIN/Mclaren) a 26s.
.4. Jenson Button (GBR/Mclaren) a 30s.
.5. Fernando Alonso (ESP/Ferrari) a 35s.
.6. Valteri Bottas (FIN/Williams) a 47s.
.7. Nico Hulkenberg (ALE/Force India) a 50s.
.8. Kimi Raikkonen (FIN/Ferrari) a 57s.
.9. Jean-Éric Vergne (FRA/Toro Rosso) a 1min00s.
10. Daniil Kvyat (RUS/Toro Rosso) a 1min03s.
11. Sérgio Pérez (MEX/Toro Rosso) a 1min25s.
12. Adrian Suttil (ALE/Sauber) a 1 volta.
13. Esteban Gutiérrez (MEX/Sauber) a 1 volta.
14. Max Chilton (GBR/Marussia) a 2 voltas.
15. Jules Bianchi (FRA/Marussia) a 8 voltas.

ABANDONOS: VOLTA.
Romain Grosjean (FRA/Lotus) 44.
Pastor Maldonado (VEN/Lotus) 30.
Marcus Ericsson (SUE/Caterham) 28.
Sebastian Vettel (ALE/Red Bull) 4.
Lewis Hamilton (GBR/Mercedes) 3.
Felipe Massa (BRA/Williams) 0.
Kamui Kobayashi (JAP/Caterham) 0.

Volta mais rápida: A 19ª do alemão Nico Rosberg (Mercedes), em
1min32s478.

Classificação do Mundial de Pilotos:

.1. Nico Rosberg (ALE/Mercedes) 25 pontos.
.2. Kevin Magnussen (DIN/McLaren) 18.
.3. Jenson Button (GBR/McLaren) 15.
.4. Fernando Alonso (ESP/Ferrari) 12.
.5. Valteri Bottas (FIN/Williams) 10.
.6. Nico Hulkenberg (ALE/Force India) 8.
.7. Kimi Raikkonen (FIN/Ferrari) 6.
.8. Jean-Éric Vergne (FRA/Toro Rosso) 4.
.9. Daniil Kvyat (RUS/Toro Rosso) 2.
10. Sergio Perez (MEX/Force India-Mercedes) 1.

Sem mais artigos