O atacante togolês Emmanuel Adebayor, do Manchester City, falou sobre o ataque à seleção de seu país em Angola, antes da Copa Africana de Nações, e confessou que temia não voltar a jogar.

Há um mês, ele e o restante da delegação se dirigiam a Cabinda, onde disputariam a primeira fase da competição, quando o ônibus no qual viajavam foi atacado a tiros por rebeldes angolanos. Três pessoas morreram.

No domingo, Adebayor marcou um dos gols da vitória do City por 2 a 0 sobre o Portsmouth, pelo Campeonato Inglês, e o dedicou aos amigos que perdeu no incidente.

“Foi um momento difícil na minha vida. Fico feliz por ter deixado para trás essas lembranças terríveis”, admitiu o jogador, reconhecendo que temia não voltar a ver a torcida do Manchester City e o estádio do clube.

Em declarações ao site da equipe inglesa, o atacante celebrou o fato de “estar outra vez em casa e jogando”.

“Durante todo esse tempo, os torcedores estiveram comigo, telefonando ou com mensagens de apoio. Isso me comoveu muito. Também agradeço ao meu clube por tudo o que fizeram e por terem dado tempo para que voltasse”, disse Adebayor, de 25 anos.

Sem mais artigos