Uma das principais reclamações dos empresários que dependem de importações e exportações para seu trabalho é o problema da logística no país. A falta de estradas, portos lotados, entre outros problemas, evitam que o Brasil tenha um resultado melhor no comércio exterior.

Apesar de todas as dificuldades, o Brasil foi um dos países que mais avançaram no ranking de logística elaborado pelo Banco Mundial (Bird). O levantamento leva em conta a capacidade dos países de transportar bens e conectar indústria e consumidores aos mercados internacionais.

No ranking, o país avançou a 41ª posição, ganhando 20 postos em relação ao levantamento anterior, realizado em 2007. No entanto, o Brasil está ainda atrás de outros emergentes, como China, África do Sul, Malásia e Turquia. A notícia boa é que assumiu a liderança na América Latina ao ultrapassar México, Argentina e Peru.

Para o BIRD, o Brasil e a Colômbia são exemplos de reformas feitas para que se reduza o custo-país. Porém, a questão alfandegária evitou uma melhora mais acentuada do país, já que o país perdeu oito posições e ficou em 82º lugar. Este quesito avalia a eficácia da Alfândega e de outras agências de controle na fronteira.

De acordo com o Banco Mundial, no Brasil são necessários cinco dias e meio para que uma carga seja liberada, enquanto no Chile esse prazo é de 1,3 dia. Em casos como Hong Kong e Finlândia, essa liberação é feita em menos de 24 horas.

Sem mais artigos