O coronel Antonio Erasmo Dias faleceu nesta segunda-feira (04), vítima de câncer no intestino. Famoso por sua atuação nos anos da ditadura, o corpo do coronel reformado do Exército foi velado durante a madrugada desta terça na Assembleia Legislativa, no Ibirapuera, e será sepultado no cemitério do Paquetá, em Santos.

Em 1974, durante o governo Emílio Garrastazu Médici, cuidou da direção da Secretaria de Segurança Pública de São Paulo. Acusado de atuar com mão de ferro, Erasmo ficou no poder até 1979.

Sua missão mais polêmica foi no câmpus da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. No dia 22 de setembro de 1977, uma ação da polícia prendeu 900 estudantes e os levou para o quartel da Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar e para o Dops.

Erasmo Dias também foi um dos fundadores do partido Arena, conhecido por ser de extrema direita. Pelo Partido Progressista (PP), foi deputado estadual e vereador pela cidade de São Paulo.

Coronel Erasmo Dias morre aos 85 anos em São Paulo

Sem mais artigos