Uma situação que seria inimaginável há poucos anos está perto de se concretizar. A rede de locadoras Blockbuster entrou com um pedido de concordata nos Estados Unidos e pode declarar falência em breve.

As dívidas já chegam a US$ 975 milhões, mais da metade delas geradas por perdas em 2009 (US$ 569 milhões). Mas, desde que a rede deixou o conglomerado de mídia Viacom, há seis anos, a situação vinha se complicando.

Além disso, a rede tem enfrentado os óbvios problemas causados pelo avanço da tecnologia e pelas novas formas de distribuição de filmes.

A Blockbuster bem que tentou se adequar, oferecendo serviços como vídeos por streaming para TVs e celulares e a opção dos clientes carregarem filmes em cartões de memória durante suas compras em lojas de vários tipos.

Mas analistas avaliam que foi tarde demais. Antes dela a Netfix já aceitava pedidos de DVDs por email e a Redbox havia instalado máquinas em lojas de conveniência e supermercados alugando filmes por apenas um dólar.

A Blockbuster tem hoje 5.200 lojas em todo o mundo, inclusive no Brasil. Em alguns lugares, como na Inglaterra, a rede está tentando renegociar seus contratos de franquia. Só naquele país são 630 lojas, que empregam cerca de 5 mil pessoas, de acordo com o jornal The Guardian.

Sem mais artigos