O escândalo do mensalão do Democratas (DEM) de Brasília, no Distrito Federal, parece ter um novo capítulo. Desta vez, o governador do Distrito Federal (DF), José Roberto Arruda, é suspeito de enviar um amigo para tentar subornar o jornalista Edson Sombra, testemunha no mensalão do DEM.

Sombra denunciou a tentativa de suborno e a Polícia Federal (PF) passou a acompanhá-lo. Em um vídeo divulgado pela PF, o suposto emissário de Arruda entrega cerca de R$ 200 mil em dinheiro ao jornalista. Esta seria a primeira parcela do pagamento de um suborno de R$ 1 milhão para que ele dissesse que as imagens do escândalo foram montadas.

<object width=”380″ height=”326″><param name=”movie”
value=”http://www.youtube.com/v/JAGBPqutTIY&hl=pt_BR&fs=1&”></param><param
name=”allowFullScreen” value=”true”></param><param
name=”allowscriptaccess” value=”always”></param><embed
src=”http://www.youtube.com/v/JAGBPqutTIY&hl=pt_BR&fs=1&”
type=”application/x-shockwave-flash” allowscriptaccess=”always”
allowfullscreen=”true” width=”380″
height=”326″></embed></object>

Em depoimento à PF, Edson Sombra disse que primeiro ele foi procurado pelo deputado distrital Geraldo Naves. Mas, no final, por decisão que teria sido do próprio Arruda, quem fechou a negociação foi Antonio Bento, que está preso. A Polícia investiga agora quem foi o responsável por repassar o dinheiro a Bento. A suspeita é que Rodrigo Arantes, sobrinho do governador que aparece num vídeo que deu origem ao escândalo, fosse o articulador da propina.

Em entrevista ao Jornal da Globo, Edson Sombra disse ter pedido uma prova quando foi procurado. Foi então que ele recebeu um bilhete feito pelo governador. Agora, a PF investiga se a grafia da mensagem é a mesma de Arruda.

Sem mais artigos