Por causa do elevado número de testemunhas para serem ouvidas, o julgamento do casal Nardoni, marcado para ocorrer a partir das 13h de 22 de março, vai durar até cinco dias. De acordo com o juiz Maurício Fossen, o júri popular será composto por sete pessoas escolhidas da sociedade e acontecerá no Fórum de Santana, na Zona Norte da capital.

Alexandre e Anna Carolina Jatobá são acusados de matar Isabella, de 5 anos, no dia 29 de março de 2008. A madrasta da menina a teria agredido e o pai, a jogado da janela do sexto andar do apartamento do casal, em Santana.

Para a promotoria, a madrasta foi a responsável pelas agressões à criança e o pai arremessou a filha do sexto andar do edifício London. Porém, o advogado de defesa do casal Nardoni, Roberto Podval revelou que desconfia que júri popular marcado para segunda-feira que vem será injusto. Segundo Podval, a cobertura da imprensa influenciou a opinião dos jurados que serão convocados pelo tribunal. “A questão é saber se diante de toda a cobertura que foi dada, é possível falar em um julgamento igualitário e justo”.

Para Francisco Cembranelli, responsável pela acusação no julgamento do casal, o que a imprensa fez foi apenas divulgar as provas do caso. “A imprensa não inventou provas, apenas noticiou as já existentes no processo, que comprometem os réus. Não se pode culpar a imprensa por divulga-las, nenhum jornalista ou emissora de televisão, inventou alguma prova para culpá-los”.

 

Sem mais artigos