O mundo pode acabar nesta terça-feira, dia 30 de março? Tem gente que acha que sim. Isso porque o Grande Acelerador de Partículas (LHC, na sigla em inglês) está programado para atingir sua maior potência e iniciar o choque de prótons.

Na teoria, novas partículas seriam geradas após os choques, o que provaria algumas das principais teorias da física, entre elas a do Big Bang, a grande explosão que teria iniciado o universo há mais de 14 bilhões de anos. Algumas pessoas, porém, afirmam que há risco no experimento, já que os choques entre as partículas poderiam resultar até em um buraco negro que destruiria o mundo, embora cientistas garantam que mesmo que isso fosse verdade, a energia seria insuficiente para provocar qualquer estrago.

Histórico

O LHC (Grande Colisor de Hádrons) foi inaugurado em setembro de 2008, depois de mais de uma década de construção e três bilhões de euros investidos. Consiste em um túnel circular de 27 km de comprimento entre as fronteiras da Suíça e França. Cerca de dois mil físicos de 35 países participam do projeto. Mais de 1,2 mil superimãs, com peso total de 35 toneladas, são responsáveis por acelerar as partículas. Quatro detectores, do tamanho de um prédio de cinco andares, monitoram as colisões.

Mas uma falha mecânica provocou a interrupção das experiências apenas nove dias depois do início das atividades. O equipamento foi religado apenas em novembro do ano passado. Como previsto, os experimentos são feitos com energias cada vez maiores. Assim, nesta terça-feira a brincadeira começa de verdade.

Leia mais:

Com medo do fim do mundo, mulher quer parar acelerador de partículas

Sem mais artigos