Foi-se o tempo em que todos queriam concreto, metais e ambientes ultra-modernos dentro de casa. Nas grandes cidades o bucolismo entra de mansinho na vida de todos nós através do resgate de uma vida mais saudável e próxima à natureza. Mas como trazer a natureza para dentro de casa em espaços minúsculos com uma cidade tão monocromática? Para realizar estes sonhos o setor da decoração lança revestimentos que são destaque em matéria de tecnologia verde reproduzindo madeira, pedra, palha e outros elementos de uma maneira sustentável.
 
Papéis de parede não são novidade porém, se engana quem imagina aquele elemento sintético dos anos 80. O papel de parede de hoje é feito com desenhos florais, palha natural e até mica, uma espécie de pedrisco totalmente lavável. Outro destaque é a fibra de vidro que traz texturas às paredes ajudando na regularização e impermeabilização podendo ser pintada várias vezes sem perder a textura de trama característica do produto.

E para quem procura um ambiente mais rústico, ainda existe um material novo que virou sucesso de popularidade: as pastilhas decorativas feitas da casca do coco, palha de arroz, dendê e babaçu. Criadas por um brasileiro estes revestimentos geram um mercado sustentável com o aproveitamento do material antes sem utilidade. E o resultado é um produto lindo e decorativo que pode ser aplicado no teto, paredes, móveis ou detalhes no piso.
 
E só pra aproveitar a chegada do verão: sabe aquela varanda ou jardim com pisos feitos em madeira de demolição? Você acha lindo mas fica em dúvida se vale o investimento já que ela tende a apodrecer depois de anos deixada ao tempo? Foi justamente por conta deste impasse entre o bonito e o durável que alguns fabricantes criaram materiais à base de cimento com ranhuras e tonalidades tão parecidos com o original que só dá pra notar que se trata de um produto alternativo pelo tato e -claro!- pela durabilidade.

Adriana Victorelli é arquiteta e paisagista da Neo Arq*

Sem mais artigos