Sábado dia 12 de dezembro. O dia “X” para a sociedade civil, exatamente no meio da Conferência do Clima. Esse foi o dia escolhido pela campanha TckTckTck, da qual fazem parte diversas ONGs por todo o mundo, para fazer uma passeata da sociedade civil pressionando os negociadores por um acordo ambicioso, justo e legalmente vinculante na COP-15. Passeatas ocorreram em diversas cidades do mundo e em Copenhague não poderia ser diferente.

Ontem (12) todos falavam da passeata que ocorreria aqui. A cidade estava realmente mobilizada para isso, pelo menos foi assim que eu ouvi as conversas no trem e no metrô. Pena que eu tinha que ir ao Bella Center (local onde acontecem as reuniões da COP-15), de forma que não pude participar da manifestação. Mas acompanhei à distância, já que todas as televisõezinhas do Bella Center transmitiam o andar da manifestação – que acabaria lá.

Com a aproximação do final da tarde, e com a manifestação se aproximando da COP-15, as televisões ficavam ainda mais cercadas de pessoas, todas comentando o que estava acontecendo lá fora. Rumores chegavam aos nossos ouvidos, vindos sabe-se lá de onde: 150 mil pessoas na manifestação! E todas essas pessoas, a essa altura, já estavam lá fora, na frente do Bella Center, onde um palco tinha sido montado.

Foi então que me muni de uma garrafa d’água, peguei meu casaco na chapelaria, e resolvi seguir em direção à manifestação. Todos os caminhos tradicionais de saída do Bella Center estavam fechados, assim como a estação de metrô. A polícia aqui está realmente ‘noiada’ com a segurança, e então no meio do caminho descobri que 300 pessoas tinham sido presas ao longo da caminhada ainda no centro da cidade.

Se fosse um trajeto em linha reta, da saída do Bella Center ao palco da manifestação eu andaria apenas 200m. Pois bem. Andei 1,7 km, sob uma temperatura de 1º C e o vento gelado fazendo as bochechas arderem. Chegando ao palco, manifestantes – tranqüilos – do Greenpeace, WWF e demais ONGs, famílias com crianças pequenas, senhores e senhoras dinamarquesas – todos na mais plena harmonia, juntos na manifestação a favor de mudanças relevantes na Conferência do Clima.

Os discursos no palco externo acabaram quando Desmond Tutu (Arcebispo da Cidade do Cabo e prêmio Nobel da Paz por sua luta contra o apartheid na África do Sul) e outros entregaram, dentro do Bella Center, um manifesto ao Yvo de Bôer (secretário executivo da Convenção da ONU sobre Mudanças Climáticas). Então, do lado de fora a manifestação se transformou em uma rave  e a multidão se dirigiu ao metrô.

Lembra que eu tinha dito que o metrô no Bella Center estava fechado? Pois bem. A multidão inteira se deslocou à próxima estação de metrô, 700m distantes de onde estávamos. Chegando lá, filas e filas (sempre organizadas, mesmo que sem a polícia lá por perto) e trens abarrotados, sem lugar para respirar ao certo. E mesmo sufocada pela multidão dentro do trem, voltei para casa respirando aliviada por mais uma vez fazer parte, aqui em Copenhague, de um momento histórico nesse início de século XXI.

Sem mais artigos