O Oasis acabou na última semana por conta de uma catastrófica briga entre os irmãos Noel e Liam Gallagher, que acabou culminando na dissolução da mais cultuada banda do britpop. Deste lado do Atlântico, dois irmãos que também brigam muito estão lançando um CD e não querem ter o mesmo fim da banda de Manchester

Figurinha carimbada do rock nacional, o cantor e baterista Supla abraçou de vez o projeto musical que criou com seu irmão, o cantor e violonista João Suplicy, no ano passado. A dupla está lançando o disco de estreia do Brothers of Brazil, intitulado PunkaNova.

“Escrevemos muito na estrada e por isso acabamos brigando muito. Até fizemos uma música sobre isso que fala ‘sometimes i wanna punch you but i love you‘ (algo como ‘às vezes quero te bater, mas te amo’)”, comenta Supla.

“É verdade. Nós estamos sempre brigando. Mas acho que nosso caso não é tão grave quanto o dos Gallaghers”, concorda João Suplicy. “Briga entre irmãos é uma coisa muito normal. Ainda mais quando seu irmão é o Supla.”

A referência da mistura de punk e bossa nova não podia ser mais óbvia e faz todo o sentido desde os primeiros 30 segundos da faixa de abertura, Samba Around the Clock, que traz a levada da percussão de Supla aliada à especialidade de seu irmão, o samba e a educadíssima bossa nova.

“O negócio é ser bem misturado assim mesmo. Não importa muito quem vem com as ideias. É legal porque de vez em quando sai briga, com cada um tentando puxar a coisa mais pro seu lado”, comenta Supla. “Cada letra tem uma ideia e uma história diferente.”

“Gostei demais do resultado final”, completa João. “Me senti representado por muita coisa no disco. Apesar de a maioria das músicas serem em inglês, o disco teve bastante influência das canções brasileiras.”

A mistura dos elementos de rock, de samba, da bossa nova, do blues e até um pouco de country ganharam unidade sob a batuta do produtor Mário Caldato Jr, que já havia trabalhado com Donovan Frankenreiter, Beastie Boys, Nação Zumbi, Planet Hemp e Jack Johnson, dono do estúdio onde o álbum foi gravado.

“Desde o começo, ele achou a concepção do nosso disco muito legal. Quando nós estávamos tocando na Costa Oeste dos Estados Unidos, ele nos ligou e falou que o estúdio do Jack Johnson estava livre, o que não poderia ser mais perfeito”, explicou Supla.

“Esse negócio de violão e bateria partiu da gente mesmo. Eu nem achava que ia dar certo, para ser bem honesto”, continua João Suplicy. “Foi justamente isso que deu uma cara ao nosso som. Nos baseamos muito nas nossas próprias demos, que fomos gravando na estrada.”

Formato inusitado

PunkaNova chega às bancas de todo o Brasil com 50 mil cópias, um número imenso para os padrões de venda de CDs no Brasil. A dupla ainda encartou uma revista-pôster com o álbum e lançou um concurso cultural, em que duas motos serão sorteadas.

Dando a dica de como driblar a situação crítica da indústria fonográfica, a dupla resolveu distribuir o CD nas bancas de jornal. Supla e João Suplicy são entusiastas do novo formato e acreditam, por motivos diferentes, no sucesso desse método de venda.

“Desde o início, defendi essa ideia do formato e achei que era uma ótima maneira para trabalhar”, anima-se João. “No nosso caso, vender o disco nas bancas e é muito melhor do que assinar com uma gravadora. Somos donos dos fonogramas e podemos colocar o preço que queremos. Além de tudo, hoje em dia há muito mais bancas de jornal do que lojas de CD.”

“É um período diferente de quando eu lancei o Charada Brasileiro nas bancas”, refletiu Supla sobre o disco. “Naquela época, o produto era mais popular e foi impulsionado por toda aquela história do Silvio Santos”, garantiu, relembrando seu sucesso no reality show Casa dos Artistas

Independente do estágio da carreira de cada um dos Brothers, fato é que a dupla chega para batalhar seu espaço no Brasil e já tem diversas datas agendadas para voltar a se apresentar fora do país. Os irmãos Suplicy estão chegando e você ainda vai ouvir falar muito deles…

Ouça o álbum PunkaNova na Rádio UOL

Sem mais artigos